Consulta da Memória

Consulta da Memória

Com o envelhecimento cerebral surgem algumas dificuldades no funcionamento cognitivo, tais como diminuição da atenção e da memória imediata e lentificação da velocidade de processamento da informação. 

Importa no entanto distinguir as queixas normais das patológicas, de modo a melhor prevenir e tratar uma evolução desfavorável e conseguir um diagnóstico precoce de demência. Em idades mais jovens as queixas de memória estão muitas vezes relacionadas com stress crónico, quadros ansiosos e depressivos, perturbações do sono, os quais interessa identificar e tratar atempadamente evitando repercussões futuras na vida pessoal e profissional. 

A Consulta de Memória, da responsabilidade da Dra. Belina Nunes, funcionará em estreita ligação com a Unidade de Neuropsicologia Clínica, na qual serão realizadas Avaliações Neuropsicológicas e Reabilitação Cognitiva. A Avaliação Neuropsicológica é uma etapa imprescindível no diagnóstico das diversas perturbações cognitivas quer no adulto quer na criança permitindo determinar se o desempenho do indivíduo se compara com valores normais para a idade e escolaridade. 
A Reabilitação Cognitiva consiste em técnicas específicas de estimulação e reabilitação das principais funções intelectuais e está indicada quer em processos demenciais iniciais, quer na recuperação de diversos quadros neurológicos e neurocirúrgicos, tais como AVCs, traumatismos cranianos, tumores, etc. 

O Hospital da Arrábida posiciona-se deste modo na linha da frente do diagnóstico e prevenção das perturbações cognitivas, assegurando todas as etapas desde o diagnóstico clínico e neuropsicológico ao seu tratamento e reabilitação. 

Consulta de Memória - Dr.ª Belina Nunes

As perturbações da Memória são cada vez mais notadas devido às exigências da vida pessoal e profissional. Em idades mais jovens essas queixas de memória (notadas apenas pelo próprio ou por outros) estão na maior parte das vezes em relação com quadros depressivos, ansiosos, stress profissional crónico, privação de sono, etc. Muitas destas situações não estão diagnosticadas nem tratadas de modo adequado levando a progressivas dificuldades na vida diária. Com o envelhecimento cerebral surgem algumas dificuldades no funcionamento cognitivo, tais como diminuição da atenção e da memória imediata e lentificação da velocidade de processamento da informação. É fundamental a distinção entre queixas de memória normais, associadas ao normal envilecimento do cérebro e perturbações da memória já devidas a um processo inicial de demência. Actualmente a medicação que existe para o tratamento da demência permite melhorar muito a qualidade de vida do doente e família, em particular se iniciada precocemente. A Consulta de Memória é a primeira etapa no diagnóstico diferencial das queixas de memória, sendo determinante o papel dos exames complementares dos quais se destaca a Avaliação Neuropsicológica. 


O que é a Avaliação Neuropsicológica? 

A Avaliação Neuropsicológica é a prática clínica do uso de testes/baterias para avaliação do funcionamento do cérebro. As funções cerebrais avaliadas com estes testes são, entre outras, a atenção, a memória e a linguagem. Além da avaliação através de testes são também recolhidas informações a nível social, comportamental e emocional que, em conjunto com os resultados dos testes, permitem cumprir os vários objectivos a que se propõe uma avaliação neuropsicológica. Cada avaliação tem a duração de cerca de 1 hora. 

Estas avaliações podem ser realizadas, através da marcação com a Dr.ª Manuela Santos ou Dr. Ricardo Silva.


Quando está indicado efectuar uma Avaliação Neuropsicológica? 

A Avaliação Neuropsicológica é um exame especialmente vocacionado para pessoas que manifestem défices cognitivos objectivos ou subjectivos associados a doenças neurológicas (Doença de Alzheimer, Acidente Vascular Cerebral, Doença de Parkinson, Epilepsia, Esclerose Múltipla, Traumatismo Crânio-Encefálico), a doenças psiquiátricas (Esquizofrenia, Depressão, Doença Bipolar, Pertubação de Ansiedade, Perturbação Obsessivo-Compulsiva, Síndrome de Stress Pós-Traumático), ou a outras patologias que necessitem da sua assistência técnico-profissional. Trata-se de um exame complementar com um vasto leque de testes e técnicas rigorosamente estandartizadas e é particularmente útil em caso de suspeita de disfunções cerebrais que afectem as funções cognitivas, o comportamento, o humor ou a personalidade. 


A quem se destina? 

A avaliação neuropsicológica é dirigida a crianças (a partir dos 5 anos) e adultos. 


Quais os objectivos de uma avaliação neuropsicológica? 

A avaliação neuropsicológica pode ter como objectivos: 

  • Identificar a presença de deterioração cognitiva
  • Quantificar a gravidade da deterioração cognitiva
  • Apoiar o diagnóstico diferencial (por exemplo, entre envelhecimento normal e envelhecimento patológico; entre depressão e demência)
  • Fazer diagnóstico diferencial entre problemas comportamentais e dificuldades de aprendizagem
  • Identificar a presença de défice específico de leitura, escrita ou atenção


Quando se deve realizar uma avaliação neuropsicológica? 

Deve fazer uma avaliação neuropsicológica na presença de alguns sinais, como por exemplo: 

Adultos

  • Esquecimentos frequentes (notados pelo próprio ou pelos familiares)
  • Repetir várias vezes a mesma pergunta num curto espaço de tempo
  • Problemas de orientação no tempo (ex: não saber a data de modo sistemático) e no espaço (ex: dificuldade de orientação em sítios anteriormente bem conhecidos)
  • Episódios de confusão ou perda de consciência
  • Dificuldades de concentração
  • Dificuldades em encontrar palavras
  • Dificuldade em realizar tarefas que anteriormente eram feitas sem esforço e sem erros (ex: vestir, higiene pessoal, cozinhar e outras tarefas básicas do dia-a-dia)
  • Dificuldades em reconhecer pessoas familiares
  • Dificuldades na condução

Crianças

  • Fraco desempenho a nível escolar
  • Dificuldades específicas na leitura e/ou na escrita
  • Problemas de atenção/concentração 

A Avaliação Neuropsicológica é particularmente recomendada nos seguintes casos: 

  • Quadros demenciais (Doença de Alzheimer, Acidente Vascular Cerebral, Doença de Parkinson, etc.)
  • Quadros neuropsiquiátricos refractários (Esquizofrenia, Depressão, Doença Bipolar, etc.)
  • Distinção entre depressão e demência
  • Distinção entre envelhecimento normal e patológico (perda residual das capacidades cognitivas vs. perda acentuada das capacidades cognitivas)
  • Mudanças bruscas do humor e/ou da personalidade
  • Dificuldades de aprendizagem (Dislexia)


Quais são os objectivos da Avaliação Neuropsicológica? 

  • Identificar eventuais alterações comparativamente ao nível de funcionamento pré-mórbido
  • Detectar a presença de deterioração cognitiva e/ou funcional
  • Estabelecer perfis neuropsicológicos que auxiliem no diagnóstico diferencial
  • Quantificar a gravidade da deterioração
  • Definir o grau de incapacidade funcional
  • Delimitar as disfunções cognitivas a nível neuroanatómico
  • Implementar programas de Reabilitação Cognitiva com base no perfil neuropsicológico
  • Monitorizar ao longo do tempo as mudanças decorrentes da doença
  • Avaliar a eficácia das terapêuticas farmacológicas e não-farmacológicas


Importância da Avaliação Neuropsicológica 

A Avaliação Neuropsicológica é particularmente importante no diagnosticar de um processo neurodegenerativo ainda em fase incipiente, possibilitando ao profissionais de saúde delinear o plano terapêutico mais eficaz para retardar ou estagnar a evolução do processo demencial, oferecendo assim ao doente mais autonomia e melhor qualidade de vida por mais tempo. É também um exame complementar de grande utilidade no diagnóstico diferencial entre doenças que concorram para a explicação de quadros clínicos de maior complexidade, contribuindo assim para uma correcta implementação da terapêutica farmacológica. 


Reabilitação Cognitiva 

A Reabilitação Cognitiva oferece igualmente um atendimento especializado nas vertentes Cognitiva, Afectiva e Funcional e tem como objectivos, reabilitar, recuperar ou compensar todos os doentes que apresentem este tipo de sequelas. Fornece igualmente, ainda que de forma suplementar, apoio e orientação aos familiares e cuidadores que queiram ver as suas dúvidas esclarecidas. 

A reabilitação cognitiva pode ser efectuada através de marcação com o Dr. Ricardo Silva.


Características dos Programas de Reabilitação Cognitiva 

  • Estruturados com base nos resultados da Avaliação Neuropsicológica
  • Delineados a partir dos substratos neuroanatómicos funcionalmente preservados
  • Intervenções terapêuticas não-farmacológicas que ajudam a optimizar o funcionamento global do doente


Objectivos da Neuroreabilitação Cognitiva 

  • Maximizar as funções cognitivas que ainda se encontram preservadas
  • Recuperar as funções cognitivas para níveis próximos do funcionamento pré-mórbido
  • Compensar défices cognitivos mediante a utilização de estratégias alternativas
  • Retardar o mais possível o declínio cognitivo
  • Potenciar a acção farmacológica
  • Capacitar o doente de uma maior autonomia
  • Proporcionar maior qualidade de vida


Tipos de Abordagens Cognitivas 

  • Treino Cognitivo - Prática repetida de exercícios ou tarefas cognitivas específicas (atenção, memória, linguagem, etc.)
  • Estimulação Cognitiva - Estimulação global do doente nas vertentes cognitiva, emocional, funcional e social
  • Reabilitação Cognitiva - Abordagem holística que visa melhorar o desempenho em tarefas cognitivas concretas que sejam relevantes para o dia-a-dia do doente


Importância da Reabilitação Cognitiva 

A importância da Reabilitação Cognitiva assenta na capacidade que este tipo de intervenção tem em atrasar o mais possível o aparecimento de um quadro demencial ou estabilizar um processo neurodegenerativo em curso, na capacidade de compensar funções cognitivas gravemente comprometidas através da utilização de outras funções similares, na capacidade de recuperar determinadas funções cognitivas para níveis de funcionamento próximo do normal e, na estimulação contínua da reserva cognitiva essencial para um envelhecimento saudável.