Novo microdispositivo de monitorização cardíaca

Novo microdispositivo de monitorização cardíaca

No espaço de uma semana, o Hospital da Arrábida realizou com sucesso dois implantes de microdispositivo de monitorização cardíaca, dando assim início a uma nova era no diagnóstico cardíaco.

Os implantes foram realizados pelo cardiologista e eletrofisiologista João Primo e pela sua equipa, em doentes com síncopes de repetição e de causa desconhecida.

O Hospital da Arrábida é uma das primeiras unidades privadas a colocar este novo sistema de monitorização de arritmias cardíacas, cuja dimensão é inferior em 80% aos outros dispositivos atualmente disponíveis. Apesar de ser significativamente mais pequeno, o novo dispositivo permite uma monitorização contínua durante três anos e é disponibilizado com um sistema monitorização remota (wireless), que permite uma avaliação à distância do aparelho e possibilita o envio de notificações perante a presença de determinadas arritmias cardíacas.

De acordo com o Dr. João Primo “Este dispositivo cardíaco está indicado em alguns doentes com síncope (“desmaio”) ou palpitações, de modo a correlacionar os sintomas com a presença (ou ausência) de arritmias cardíacas, permitindo um diagnóstico mais preciso e um tratamento mais específico de eventuais alterações do ritmo cardíaco”.

A síncope é uma perda de consciência resultante de uma diminuição da circulação sanguínea cerebral global e transitória. Carateriza-se por um início súbito, curta duração e recuperação completa e espontânea. Estima-se que nos indivíduos que atingem os 70 anos a sua prevalência seja de 42%, sendo responsável por 1% das idas às urgências hospitalares.