Rastreios no Hospital da Arrábida

Rastreios no Hospital da Arrábida

Hospital da Arrábida acolhe rastreios gratuitos ao Aneurisma da Aorta Abdominal
Doença afecta 80 milhões de pessoas com mais de 65 anos

A campanha Aorta é Vida e o Serviço de Cirurgia Vascular do Hospital da Arrábida promovem entre os dias 20 e 26 de Maio um rastreio gratuito ao Aneurisma da Aorta Abdominal, uma doença grave e silenciosa. Este rastreio é dirigido a todos os clientes, sobretudo homens com idade igual ou superior a 65 anos e com historial de tabagismo. 

O rastreio será realizado na loja 150 do Arrábida Shopping (Piso 1, em frente à Chateau D’Ax), das 11h às 14h e das 15h às 20h.

Contacte-nos para agendar o seu rastreio gratuito:
T. 223776800  Email: mmagro@hospitaldaarrabida.pt

Esta iniciativa tem como objectivo informar e rastrear a população do Porto, sobretudo homens com idade igual ou superior a 65 anos, com historial de tabagismo e com antecedentes familiares de aneurisma aórtico. 

Por ser uma doença que normalmente não apresenta sintomas, a realização destas acções de sensibilização e rastreio são muito importantes já que apenas 50 por cento dos pacientes em ruptura do AAA chegam vivos ao hospital e destes, mais de 50 por cento morrem após cirurgia”, explica João Albuquerque e Castro, cirurgião vascular e coordenador nacional da Campanha AORTA É VIDA.

De acordo com Rui Machado, cirurgião vascular do Hospital da Arrábida, “esta parceria pretende alertar a população do Porto para esta doença grave, divulgando os factores de risco e despistando a existência de AAA através de uma simples ecografia. Desta forma, estaremos também a promover o diagnóstico precoce da doença, essencial para a vigilância do doente e para a selecção do tratamento mais adequado”.

O AAA é uma doença grave que raramente apresenta sintomas. Trata-se de uma dilatação lenta e progressiva da aorta, a maior artéria do organismo que, quando rompe, origina uma perda de sangue muito grave que em 50 por cento dos casos resulta em morte súbita. 

Estima-se que, na Europa, 80 milhões de pessoas com mais de 65 anos estejam em risco de desenvolver um AAA, e por esta razão tornam-se prementes as campanhas de sensibilização.