Voltar

Sistema cardiovascular

O sistema cardiovascular, ou circulatório, inclui o coração e uma vasta rede de vasos sanguíneos, onde circula o sangue.

Este sistema contribui de várias formas para a manutenção do equilíbrio do organismo, designado homeostase, nomeadamente através das suas funções de:

  • Transporte do oxigénio desde os pulmões para todo o organismo e do dióxido de carbono em sentido contrário para ser eliminado; 
  • Transporte de nutrientes absorvidos para os locais onde são necessários no organismo;
  • Transporte de resíduos do metabolismo das células para os locais onde são eliminados; 
  • Transporte de substâncias produzidas em determinados locais do organismo (p. ex. hormonas, anticorpos) para outros locais onde são necessárias; 
  • Participação na regulação da temperatura corporal.

Coração

O coração está localizado na cavidade torácica, ligeiramente deslocado à esquerda. É o órgão central do sistema cardiovascular e tem como principal função propulsionar o sangue através dos vasos.

O coração é um órgão oco, cuja parede possui três camadas:

  • a mais externa ou epicárdio
  • a intermédia, miocárdio ou músculo cardíaco
  • o endocárdio, que contacta diretamente com o sangue

O coração é envolvido externamente pelo pericárdio, uma estrutura semelhante a um saco, com funções de proteção, e que possui dois folhetos, o pericárdio visceral aderente à superfície cardíaca, e o folheto mais externo ou pericárdio parietal. Entre os dois folhetos existe o espaço pericárdico, que contém uma pequena quantidade de líquido lubrificante das superfícies dos folhetos, que impede o atrito durante os movimentos do coração.

Interiormente o coração está dividido em quatro cavidades, duas aurículas e dois ventrículos. A aurícula direita comunica com o ventrículo direito através do orifício aurículo-ventricular direito, que possui uma válvula designada tricúspide. A aurícula esquerda comunica com o ventrículo esquerdo através do orifício aurículo-ventricular esquerdo, que possui uma válvula designada mitral. As aurículas direita e esquerda recebem o sangue das veias cavas e das veias pulmonares, respetivamente.

No coração o movimento do sangue faz-se das aurículas para os ventrículos. Do ventrículo direito e do ventrículo esquerdo, o movimento do sangue faz-se para a artéria pulmonar e para a artéria aorta, respetivamente. Na transição do ventrículo direito para a artéria pulmonar está presente a válvula pulmonar e na transição do ventrículo esquerdo para a artéria aorta está presente a válvula aórtica.

A função das válvulas cardíacas (tricúspide, mitral, pulmonar e aórtica) é assegurar que o sangue circula apenas num sentido e, quando se encerram, impedir o seu refluxo. Na auscultação cardíaca são audíveis sons associados ao encerramento das válvulas cardíacas; esta técnica permite assim verificar a normalidade dos sons audíveis e detetar a presença de sons anormais. As válvulas cardíacas podem ser sede de doenças que comprometem a função cardíaca normal e que se designam genericamente valvulopatias.

A irrigação do coração não é feita pelo sangue presente nas suas cavidades. Está sim a cargo da circulação coronária, que se inicia com duas artérias coronárias que se destacam da porção inicial da artéria aorta. O oxigénio e os nutrientes necessários às células musculares cardíacas têm origem no sangue proveniente das artérias coronárias, pelo que qualquer problema ao nível desta circulação pode comprometer a função cardíaca.

A inervação do coração está a cargo do sistema nervoso autónomo (ou involuntário) e das suas divisões simpática e parassimpática. A estimulação simpática aumenta a frequência cardíaca (número de batimentos cardíacos por minuto) e a estimulação parassimpática diminui-a.

Vasos Sanguíneos

Os vasos sanguíneos são basicamente de três tipos:

  • artérias
  • veias
  • capilares

Os vasos sanguíneos que conduzem o sangue para fora do coração são as artérias. A parede das artérias é constituída por três camadas: a mais interna é constituída por uma camada de células, a intermédia é constituída por tecido muscular e a mais externa possui essencialmente fibras elásticas. A elasticidade da parede das artérias permite-lhes transportar sangue com uma pressão elevada. No seu percurso no organismo, à medida que se afastam do coração, as artérias vão-se ramificado em vasos cada vez mais finos até se formarem as arteríolas. A estas segue-se uma rede de vasos de calibre reduzido e parede fina, os capilares, ao nível dos quais ocorrem as trocas necessárias de oxigénio e de nutrientes com as células. O dióxido de carbono e os produtos do metabolismo das células estão presentes no líquido que as rodeia (líquido extracelular) e que em grande parte é reabsorvido pelos capilares e integrado no sangue. A parede dos capilares possui uma única camada correspondente à camada interna das veias e das artérias. No percurso de retorno ao coração, aos capilares seguem-se as vênulas que se vão juntando de modo a formar vasos de calibre cada vez maior, terminando nas veias que levam o sangue de volta ao coração. A parede das veias também possui três camadas, mas a camada muscular e a camada elástica são mais finas do que a das artérias correspondentes. Além disso, as veias possuem válvulas no seu interior que asseguram que o sangue circula num único sentido.

A Circulação do Sangue

A circulação é o movimento do sangue através do coração e dos vasos sanguíneos. Podem ser distinguidos dois circuitos na circulação do sangue:

  • A pequena circulação ou circulação pulmonar, que conduz o sangue venoso até aos pulmões para ser oxigenado e devolve o sangue oxigenado ao coração. Resumidamente, o percurso do sangue na pequena circulação é o seguinte:

Ventrículo direito – artéria pulmonar – pulmões – veia pulmonar – aurícula esquerda.

  • A grande circulação, circulação sistémica ou circulação periférica, que distribui o sangue oxigenado por todo o organismo e recolhe o sangue venoso novamente em direção ao coração. Resumidamente, o percurso do sangue na grande circulação é o seguinte:

Ventrículo esquerdo – artéria aorta – órgãos e tecidos corporais – veias cavas – aurícula direita.

A circulação do sangue faz-se num sentido de diminuição da pressão, ou seja, nas artérias a pressão é superior à das veias.

Os Movimentos do Coração

A função mecânica do coração, de bombeamento do sangue através do sistema cardiovascular, deve-se à contração e relaxamento das suas cavidades. Para que as cavidades cardíacas se encham de sangue é necessário que se relaxem; para que bombeiem o sangue é necessário que se contraiam.

As células musculares cardíacas necessitam de um estímulo inicial para se contraírem. Este estímulo elétrico tem origem no nó sinoauricular ou sinusal, também designado marca-passo cardíaco, localizado na aurícula direita. Os impulsos do nó sinoauricular atingem depois uma outra estrutura, o nó auriculoventricular e daqui são conduzidos a todo o coração através do sistema de Hiss e finalmente da rede Purkinge, controlando de uma forma rigorosa a atividade do músculo cardíaco. Quando, por qualquer razão, ocorrem alterações da integridade deste sistema de controlo dos movimentos cardíacos, surgem problemas de arritmias. Nalgumas situações, torna-se mesmo necessário implantar um marca-passo eletrónico, ou pacemaker, para exercer as funções do nó sinoauricular. Sendo o organismo um corpo bom condutor da eletricidade, a atividade elétrica cardíaca pode ser registada na superfície corporal, com elétrodos colocados em posições específicas, obtendo-se um registo gráfico daquela atividade designado eletrocardiograma.

A contração das aurículas e dos ventrículos não é simultânea. Quando as aurículas se contraem (para expelir o sangue para os ventrículos), os ventrículos relaxam-se (para receber o sangue das aurículas), quando os ventrículos se contraem (para expelir o sangue para as artérias), as aurículas relaxam-se (para receber sangue das veias). A sístole cardíaca é a contração cardíaca referenciada aos ventrículos; a diástole cardíaca é o relaxamento (ou dilatação) cardíaco, também referenciado aos ventrículos.

Durante um ciclo de sístole e diástole cardíaca, ocorrem alterações do volume e da pressão interna das cavidades cardíacas, movimentos das válvulas cardíacas e alterações da pressão sanguínea nos vasos.

Durante a sístole ventricular o sangue é bombeado para as artérias, que se dilatam diminuindo assim a pressão do sangue que lhes chega. Durante a diástole ventricular, as artérias contraem-se para que o sangue continue a fluir até à próxima sístole. A pressão exercida pelo sangue sobre a parede das artérias designa-se pressão arterial, é máxima na sístole ventricular e mínima na diástole ventricular, e pode ser medida nas artérias dos membros superiores.