Voltar

Cárie dentária

Cárie dentária

Muito comum, a cárie precoce da infância é a doença crónica mais frequente em crianças até aos seis anos de idade e pode desenvolver-se logo a partir da erupção do primeiro dente.

É a partir de açúcares que as bactérias presentes dentro da boca produzem ácidos que causam cárie dentária, uma doença que origina defeitos como cavidades no esmalte dentário, a camada externa protetora dos dentes.

Cinco vezes mais comum do que a asma, a cárie precoce da infância é a doença crónica mais frequente em crianças até aos seis anos de idade e pode desenvolver-se logo a partir da erupção do primeiro dente.

O aparecimento na cavidade oral de bactérias causadoras de cárie ocorre após o nascimento e é inevitável. Surgem essencialmente por transmissão através da mãe e quanto mais cedo ocorrer, maior é o risco e mais rápida a evolução da doença.

Os açúcares são o principal alimento deste tipo de microrganismos. O importante não é a quantidade de açúcares ingeridos, mas sim a sua consistência e a frequência de consumo. Assim, hábitos que promovam um prolongado período de contacto entre açúcares, bactérias e dentes, propiciam o desenvolvimento de cárie dentária. Os exemplos mais comuns são:

  • Tomar xaropes antes de adormecer;
  • Dar biberão com leite ou líquidos açucarados imediatamente antes ou durante a noite;
  • Colocar açúcar nas chupetas;

Prevenir complicações

Estes comportamentos associados a uma deficiente higiene oral são o maior fator de risco nas crianças.

A cárie precoce da infância manifesta-se por um padrão característico: lesões brancas (manchas ou linhas) de esmalte desmineralizado e quebradiço nos incisivos superiores e molares que, sem tratamento atempado, evoluem rapidamente para cavidades acastanhadas consideráveis.

As complicações da cárie precoce da infância podem ser tanto orais, quanto sistémicas. Dores de dentes, de garganta e de cabeça, infeções respiratórias e digestivas são disso exemplo. Também a perda prematura de dentes causa alterações no desenvolvimento dos maxilares, da fala, do sono e alimentares, devido a uma mastigação dolorosa com perda de apetite, malnutrição e alterações do desenvolvimento físico e intelectual.
É, assim, extremamente importante o diagnóstico precoce e o tratamento da cárie dentária nas crianças. Apesar da sua elevada frequência, a cárie precoce da infância pode ser prevenida e deve começar com a monitorização da saúde oral da mãe desde o período pré-natal, procurando reduzir a transmissão de bactérias cariogénicas e o seu risco de cárie.
As consultas de rotina em medicina dentária são recomendadas desde o primeiro ano de idade e são fonte ideal de informação e controlo sobre a saúde oral. Nessas consultas faz-se não somente uma avaliação do risco de cárie, um aconselhamento dietético promotor de hábitos alimentares anticariogénicos e a motivação para a correta higiene oral, mas também a implementação direta de medidas preventivas, como a administração de fluoretos que reforçam e remineralizam a estrutura do esmalte dentário, aumentado a sua resistência à cárie.

O diagnóstico e tratamento precoces de eventuais lesões evitam complicações e promovem a saúde oral e o bem-estar da criança.

Saiba que:

  • Os açúcares são o principal alimento das bactérias causadoras da cárie
  • A deficiente higiene oral é, também, um dos maiores fatores de risco
  • A queda prematura de dentes causa alterações no desenvolvimento dos maxilares, da fala, mastigação dolorosa com perda de apetite e malnutrição

 

Texto:

Carolina Damião Ferreira

Medicina Dentária, Hospital da Luz