Videoendoscopia digestiva alta

undefined

O que é e como é realizada uma videoendoscopia (endoscopia) digestiva alta?

A videoendoscopia digestiva alta (ou esofagogastroduodenoscopia) é um exame que permite analisar o interior do esófago, do estômago e da porção inicial do intestino delgado (duodeno).

A videoendoscopia digestiva alta é realizada com o paciente deitado sobre o lado esquerdo. É introduzido através da boca um tubo longo e flexível com cerca de 10 mm de diâmetro, designado endoscópio, que possui na sua extremidade uma câmara de vídeo que irá transmitir imagens ampliadas e de elevada definição para um monitor presente na sala onde o exame é realizado. Desta forma, o médico poderá examinar o interior do esófago, estômago e duodeno à medida que estes são percorridos pelo endoscópio. O endoscópio possui também componentes que permitem colher, de forma indolor, fragmentos de tecido (biópsia) e tratar diversos tipos de lesões (por exemplo, pólipos e úlceras). A progressão do endoscópio ao longo do esófago, estômago e duodeno pode causar algum incómodo, ou mesmo vómitos, embora em geral o exame seja bem tolerado. É possível no entanto realizar este exame sob anestesia, o que reduz significativamente o desconforto que lhe pode estar associado. A anestesia não implica o internamento do paciente, que poderá abandonar o local pelo seu pé pouco depois de terminado o exame. No entanto, caso se opte por realizar o exame sob anestesia, será de toda a conveniência que o paciente seja acompanhado por alguém que lhe possa prestar o auxílio eventualmente necessário.

Em que situações é realizada?

A decisão sobre a necessidade de realizar qualquer exame é sempre tomada pelo médico, em função das características individuais de cada paciente e das suas queixas ou doença.

Em regra, pode ser aconselhada a realização de uma videoendoscopia digestiva alta para diagnóstico de sintomas presentes; para rever achados de videoendoscopias realizadas anteriormente; quando se pretende esclarecer dúvidas surgidas noutros exames (radiografia do esófago, estômago e duodeno, TAC abdominal, ecografia abdominal ou análises); para remover pólipos ou tratar outras lesões já conhecidas ou diagnosticadas durante o exame e para rastreio e diagnóstico de lesões malignas ou pré-malignas.

Que limitações tem?

A videoendoscopia digestiva alta é uma técnica que pode falhar lesões e diagnósticos, mesmo com um exame tecnicamente adequado. A radiografia com contraste baritado pode ser considerada um exame alternativo e/ou complementar. Não é, no entanto, tão informativa como a videoendoscopia digestiva alta e não permite a realização de biopsias.

Quando tempo demora?

A realização de uma videoendoscopia digestiva alta demora em média menos de cinco minutos; no entanto, pode ser mais demorada, especialmente se for necessário realizar algum procedimento adicional. Depois de terminado o exame, e caso tenha sido realizado sob anestesia, torna-se necessário aguardar algum tempo até que a recuperação esteja completa, período que deve ser passado em repouso, num local específico para o efeito. Posteriormente, o paciente poderá abandonar o hospital.

Existem efeitos secundários, riscos ou complicações associados à realização de uma videoendoscopia digestiva alta?

Os riscos associados à realização de uma videoendoscopia digestiva alta são raros, mas existem, tal como acontece com qualquer outro exame em que sejam usados aparelhos ou medicamentos. A incidência destes riscos é variável com os indivíduos, está relacionada com a utilização eventual de medicamentos e com procedimentos adicionais que seja necessário realizar. Entre estes riscos, incluem-se infeções, traumatismos dentários ou complicações devidas a doenças já presentes ou a reações adversas aos medicamentos que sejam administrados. Outras complicações possíveis incluem perfuração (em média 1 caso em cada 10000) e hemorragia (em média 1 caso em cada 100), que podem nalguns casos requerer internamento, tratamento cirúrgico e/ou transfusões.

Para reduzir o risco de ocorrência de complicações é fundamental que o médico esteja informado sobre alergias, outras doenças presentes ou tratamentos em curso.