Voltar

Icterícia no recém-nascido

A icterícia é uma coloração amarelada da pele e olhos que traduz um nível elevado de bilirrubina no sangue.

A bilirrubina é um pigmento que resulta da degradação dos glóbulos vermelhos (células do sangue que transportam oxigénio) e que é metabolizado no fígado. Durante a vida uterina o feto pode produzir mais glóbulos vermelhos do que necessitará depois de nascer. Assim, depois do nascimento, esses glóbulos vermelhos excedentários são destruídos pelo organismo do bebé e, uma vez que a bilirrubina se encontra entre os seus constituintes, é libertada na corrente sanguínea. Quando a concentração de bilirrubina ultrapassa a capacidade de metabolização pelo fígado, o seu nível no sangue aumenta e a partir de determinados níveis dá origem à coloração amarelada da pele e dos olhos do bebé.

A icterícia do recém-nascido surge durante a primeira semana de vida, ocorre em cerca de 60% dos bebés de termo e é ainda mais frequente nos bebés prematuros. Se a icterícia persiste para além dos primeiros 10 dias vida ou reapareceu, existe normalmente uma razão específica que implica a realização de uma investigação complementar.

Quando num recém-nascido com icterícia se suspeita que os valores de bilirrubina sejam muito elevados, pode justificar-se o seu doseamento no sangue, podendo existir indicação para tratamento com fototerapia em internamento. A luz fluorescente da fototerapia facilita a conversão da bilirrubina numa substância menos agressiva e mais fácil de eliminar pelo organismo. O período de tratamento é variável e depende também de outros fatores, como a alimentação e o padrão de dejeções do bebé.

Depois da alta, poderá ainda haver necessidade de vigiar o bebé principalmente se os valores de bilirrubina foram muito altos.