Voltar

Radioterapia

A radioterapia é um tratamento usado em doenças malignas e benignas, que se baseia no emprego de radiações, utilizando vários tipos de energia. Os tratamentos de radioterapia, que podem ter uma finalidade curativa ou paliativa, têm uma vasta aplicação nas doenças oncológicas, pois atuam preferencialmente sobre células que se replicam e crescem rapidamente, o que acontece com as células tumorais comparativamente às células normais do organismo. Por outro lado, a capacidade das células normais para recuperar dos efeitos da radioterapia é superior à das células tumorais.

Nas doenças oncológicas, a radioterapia pode ser o único tratamento usado, ou pode ser associada, em simultâneo ou não, a outras formas de tratamento, como a quimioterapia ou a cirurgia.

Nos tratamentos de radioterapia são usados vários tipos de radiações e formas de administração, que diferem entre si em diversos aspetos, nomeadamente na sua capacidade de penetração e na possibilidade de controlar a sua aplicação sobre o alvo pretendido. Relativamente à forma de administração, os tratamentos de radioterapia podem ser de dois tipos, a radioterapia externa, mais comum, em que um equipamento exterior ao organismo emite radiações ionizantes direcionadas para o local de tratamento, e radioterapia interna ou braquiterapia, em que a fonte de radiação é colocada no interior do organismo.

A decisão médica de realizar um tratamento de radioterapia e a escolha do tipo de energia, da forma de administração, da dose e da duração desse tratamento dependem da vários fatores, entre os quais o tipo, dimensão e localização do tumor a tratar, o estado geral de saúde do doentes e outros tratamentos que este possa estar a receber.

Nas últimas duas décadas, a radioterapia tem sido alvo de uma inovação notável, que se deve, principalmente, à integração dos desenvolvimentos conseguidos na área das tecnologias de imagem e da informática com as unidades de tratamento. Desta forma, o aumento da precisão e do rigor da aplicação de radiações tem conduzido a uma redução da toxicidade associada aos tratamentos e à possibilidade de um melhor controlo dos tumores.