Dor lombar com dor ciática e dormência do membro inferior

O tratamento da doença degenerativa discal deverá ser adequado ao estadio da doença, diagnosticado por imagem, e ao tipo de sintomatologia apresentado pelo doente. Na dor lombar com dor ciática e dormência do membro inferior pode estar indicado um tratamento médico ou um tratamento cirúrgico.

  • Tratamento médico

    Perante uma crise de dor lombar, acompanhada de dor ciática, dor e dormência do membro inferior, o tratamento inicial deverá ser médico:

    • Repouso
    • Medicação: anti-inflamatórios, relaxantes musculares e analgésicos
    • Fisioterapia: programas de tratamento estipulados em função das características de cada caso, incluindo, por exemplo, a realização de massagens, ultrassons ou programas específicos de exercício.

  • Tratamento cirúrgico

    Nas situações a seguir indicadas poderá estar indicado um tratamento cirúrgico:

    • Está diagnosticada uma hérnia discal e há uma relação forte entre as imagens e as queixas do doente
    • Ocorreu falência do tratamento conservador, por um período de 4 a 8 semanas, dependendo do grau de incapacidade existente
    • É diagnosticado um défice motor, mais frequentemente nos movimentos do pé, devendo o tratamento cirúrgico ser realizado o mais rapidamente possível para maximizar as hipóteses de recuperação neurológica.

    A intervenção cirúrgica é feita com anestesia geral e com uma abordagem posterior ao canal raquidiano para remoção do fragmento discal deslocado. Após a realização de uma pequena incisão na pele, dissecam-se os planos musculares para atingir os elementos posteriores da coluna e remove-se uma parte do osso e ligamento amarelo que constituem a parede posterior do canal raquidiano. No interior do canal raquidiano removem-se os fragmentos de disco intervertebral deslocados e assegura-se a descompressão da raiz nervosa em sofrimento. Por vezes é necessário remover mais fragmentos discais do interior do espaço intervertebral para evitar a recorrência da hérnia discal.

    Esta intervenção pode ser efetuada com técnicas minimamente invasivas, através de pequenas incisões cutâneas e musculares, permitindo uma recuperação mais rápida e menos dolorosa, e um regresso rápido à vida ativa.