Cirurgia nas Doenças da Tiroide

A cirurgia da tiroide consiste na remoção parcial (hemitiroidectomia) ou total (tiroidectomia total) da glândula, dependendo da patologia em causa.

A hemitiroidectomia pode ser realizada quando os nódulos são benignos e só ocupam metade da tiroide.

A tiroidectomia total está indicada nos casos em que existem múltiplos nódulos, sobretudo quando estes envolvem a totalidade da tiroide, e nos tumores malignos. Neste caso, pretende-se eliminar o tumor, reduzir o risco de recidiva, tornar possível a administração de iodo radioativo e facilitar a vigilância da doença através do doseamento da tiroglobulina.

Alguns carcinomas da tiroide estendem-se aos gânglios linfáticos do pescoço. Nestes casos a cirurgia inclui a remoção de todos os gânglios do lado afetado.

Em média, a duração do internamento é um dia nos casos de remoção parcial da tiroide e de dois dias quando a glândula é totalmente removida.

A cirurgia da tiroide tem associada uma taxa de complicações baixa, sendo a rouquidão o que, com maior frequência, preocupa as pessoas. A alteração da voz é quase sempre transitória e está relacionada com o traumatismo do nervo laríngeo recorrente. Se a recuperação não for espontânea, a terapia da fala permite, geralmente, obter bons resultados.

A descida dos níveis do cálcio no sangue é habitual após a remoção total da tiroide e não está, geralmente, associada a sintomas. No pós-operatório imediato, é realizada medicação com cálcio e vitamina D, por via oral. Esta medicação não é responsável por qualquer sintomatologia e é, na grande maioria dos casos, transitória.

A dor no local da cirurgia, só raramente é referida.

A incisão operatória da tiroidectomia é pequena e realizada na base do pescoço, pelo que a cicatriz não será muito evidente. No momento da alta hospitalar, o cirurgião fornece os conselhos adequados à obtenção de um melhor resultado estético, embora a cicatrização dependa, em grande parte, de características individuais.

Quando os gânglios cervicais são retirados pode ocorrer um "inchaço" no pescoço e, eventualmente, uma dor de intensidade moderada, que responde bem à medicação analgésica.

As pessoas submetidas a tiroidectomia total têm obrigatoriamente de fazer reposição com tiroxina por via oral, durante toda a vida. Esta medicação deve ser sempre tomada em jejum e a sua dosagem será ajustada com base nos resultados de análises sanguíneas periódicas.