Informações Úteis

Nesta área encontrará informações úteis destinadas a pessoas com cefaleias.

  • Devo procurar ajuda para as minhas cefaleias?

    undefined

    As cefaleias são frequentes e podem ser muito debilitantes. Muitas pessoas aprendem a prever e a controlar as suas cefaleias sem ajuda médica.

    No entanto, nos casos mais complexos, os cuidados médicos são fundamentais e contribuem decisivamente para a sua qualidade de vida.

    Procure cuidados médicos se a sua cefaleia:

    • É diferente das que tem habitualmente 
    • É a pior que teve até agora
    • Se surgir de repente e se agravar com o movimento, com a tosse ou outras ações ou atividades
    • Estiver associada a náuseas, vómitos, debilidade, alterações da visão, da fala ou do comportamento
    • Estiver associada a convulsões
    • Estiver associada a um traumatismo ou queda recente
    • Não melhorar com o tratamento habitual e continuar a gravar-se
    • Interferir com o seu trabalho e com a sua qualidade de vida

  • Medidas que o podem ajudar a dormir melhor

    undefined

    Algumas medidas que o podem ajudar a dormir melhor.

    • Horário para o sono noturno

    Identifique a hora a que habitualmente sente sono e estabeleça um horário para o seu sono noturno. Deite-se e levante-se sempre à mesma hora, todos os dias, mesmo aos fins de semana e durante as férias. Deite-se apenas quando tiver sono. Se passados 15 minutos de se ter deitado não tiver adormecido, levante-se e faça algo que o relaxe até sentir sono.

    • Refeições

    Evite fazer refeições pesadas à noite, não se deite imediatamente depois de comer e não se deite com fome.

    • Bebidas e tabaco

    Evite consumir álcool, cafeína, nicotina e outros excitantes, especialmente ao final do dia.

    • Exercício físico

    O exercício físico regular é benéfico para o sono mas, pelos seus efeitos estimulantes, não deve ser praticado ao final do dia.

    • Dormir durante o dia

    Evite dormir durante o dia; se uma sesta for imprescindível, tente que seja o mais curta possível, nunca ultrapassando meia hora.

    • Relaxar antes de dormir

    Reserve algum tempo antes de dormir para atividades que o relaxem (ler, ouvir música, ou outras) e evite, nesta altura, pensar em assuntos que o preocupem ou planear tarefas importantes.

    • Ler e ver televisão

    Mesmo que ler e ver televisão o relaxem, não o faça na cama.

    • Um ambiente confortável

    Crie um ambiente de conforto no seu quarto. Não use luzes fortes, prefira o silêncio e mantenha uma temperatura ambiente do seu agrado.

  • Utilização correta de analgésicos

    undefined

    Muitas cefaleias, especialmente quando são ligeiras e esporádicas, podem ser tratadas eficazmente com analgésicos de venda livre, como por exemplo o ácido acetilsalicílico, o paracetamol ou o ibuprofeno, os quais se encontram entre os medicamentos mais usados.

    Por outro lado, é preciso não esquecer que os analgésicos aliviam a dor mas não eliminam a causa das cefaleias e que a sua eficácia diminui com uma utilização prolongada no tempo. Assim, os analgésicos não substituem o reconhecimento e controlo dos fatores que podem desencadear as cefaleias.

    Além disso, os analgésicos mesmo quando usados adequadamente, também têm riscos e efeitos secundários potenciais. Assim, sempre que se faça uma medicação regular, mesmo que seja com medicamentos de venda livre, os riscos e benefícios devem ser discutidos com o médico.

    O ácido acetilsalicílico e o ibuprofeno pertencem a um grupo de medicamentos designados anti-inflamatórios não esteróides (AINE). Estes compostos bloqueiam a formação de prostaglandinas, que são substâncias produzidas normalmente pelo organismo e que intervêm em diversas funções fisiológicas, como, por exemplo, a proteção do revestimento do estômago, a regulação da pressão arterial, a dor e a inflamação. Assim, quando bloqueiam a síntese das prostaglandinas, os AINE aliviam a dor e a inflamação, interferem com as funções protetoras destas substâncias. É por esta razão que, entre os seus efeitos secundários, estão as perturbações gástricas e a hemorragia gastrointestinal. O risco de problemas aumenta com a utilização prolongada de AINE. Além disso, devem ser usados com precaução nos doentes que têm úlceras gástricas e nos que fazem anticoagulação com antagonistas da vitamina K. As crianças e os adolescentes não devem ser medicados com ácido acetilsalicílico.

    O paracetamol (ou acetaminofeno) atua nos centros da dor do cérebro. Tem efeitos analgésicos mas não é anti-inflamatório como os AINE. Não bloqueiam a síntese das prostaglandinas (como fazem os AINE) e não provocam problemas gastrointestinais. No entanto, a toma de doses repetidas e elevadas de paracetamol pode provocar lesões hepáticas e, mais raramente, erupções da pele e problemas urinários.

    As grávidas e as mães que amamentam não devem tomar medicamentos não aconselhados pelo médico.