Cefaleias de Tensão

A cefaleia de tensão é a cefaleia primária mais comum, que quase todas as pessoas, tanto adultos como crianças, têm de vez em quando. As crises podem durar desde cerca de meia hora até vários dias e a sua frequência é variável, tanto de pessoa para pessoa como na mesma pessoa. Podem ser episódicas, ocorrendo pontualmente ao longo do mês, ou crónicas, quando ocorrem mais de 15 dias por mês, enquadrando-se, neste caso, entre as designadas cefaleias crónicas diárias.

Estima-se que cerca de 30 a 80% da população tenha cefaleias de tensão episódicas; as cefaleias de tensão crónicas afetam 3% das pessoas. Globalmente, as cefaleias de tensão afetam as mulheres duas vezes mais do que os homens; as cefaleias de tensão crónicas também são mais comuns nas mulheres e podem ocorrer em adultos com história de enxaqueca.

  • Causas

    A cefaleia de tensão não tem uma causa única. Em alguns casos parece estar relacionada com uma contração dos músculos da cabeça e pescoço que reagem a alterações emocionais (p. ex. ansiedade ou stress de diversas origens) ou físicas (p. ex. falta de repouso, problemas de postura).

    Normalmente, a cefaleia de tensão episódica é desencadeada por fadiga, ansiedade, fome ou stress ocasional. A cefaleia de tensão crónica pode ser consequência de diversos problemas, nomeadamente de ansiedade ou depressão.

  • Sintomas

    Na cefaleia de tensão, a dor é bilateral e, além da cabeça, pode atingir a região do pescoço. É uma dor de tipo pressão ou aperto (como se alguma coisa apertasse a cabeça), não pulsátil, de intensidade variável e que não se agrava com a atividade. Inicia-se normalmente na região posterior da cabeça e pescoço, atingindo depois outras regiões, com maior intensidade na testa.

    A cefaleia de tensão episódica não se acompanha de náuseas, é esporádica e não tem um padrão de ocorrência. Alguns doentes podem ter uma maior sensibilidade à luz e ao ruído.

    Na cefaleia de tensão crónica, especialmente quando associada a ansiedade ou a depressão, podem ocorrer alterações dos padrões de sono, cefaleia recorrente em períodos específicos do dia, perda de peso, tonturas, náuseas, dificuldade de concentração e fadiga continuada. Quando estes sintomas estão presentes é fundamental procurar cuidados médicos.

  • Tratamento

    A cefaleia de tensão episódica, cujas crises são esporádicas, não requer cuidados médicos e é tratada normalmente com analgésicos comuns de venda livre, a eliminação do fator indutor de stress ou com um período de repouso e relaxamento.

    Já a cefaleia de tensão crónica, pela sua maior frequência e intensidade, requer uma abordagem médica detalhada para diagnóstico e definição do tratamento, uma vez que é necessário identificar e controlar a origem da cefaleia. Por outro lado, a toma continuada de analgésicos, na tentativa de tratar cefaleias sucessivas, pode deixar de ter o efeito desejado e conduzir a outro tipo de cefaleia (cefaleia por abuso medicamentoso).

    Além do tratamento farmacológico, a abordagem dos problemas de cefaleia de tensão crónica envolve também outras estratégias, como a identificação e controlo dos fatores que a desencadeiam, a realização de exercícios de relaxamento, a acupunctura e a correção de problemas de postura, entre outros.

    O tratamento farmacológico da cefaleia de tensão crónica tem como objetivo eliminar os sintomas (tratamento sintomático realizado durante as crises) e/ou reduzir a frequência e gravidade das crises, sendo neste caso um tratamento mais prolongado, fora das crises (tratamento profilático).