Nevralgia do trigémio

A nevralgia do trigémeo caracteriza-se por uma dor facial unilateral, intermitente, geralmente muito intensa e de curta duração. É uma doença rara, estimando-se que ocorre em cerca de um milhão de pessoas em todo o mundo. É mais comum a partir dos 50 anos de idade e afeta as mulheres mais do que os homens.

  • Causas

    O nervo trigémeo é o quinto dos doze pares de nervos cranianos e é responsável pela sensibilidade facial. A nevralgia do trigémeo é atribuída à compressão e consequente irritação deste nervo, mais frequentemente por contacto com um vaso sanguíneo ou por inflamação, tumor ou outros danos do nervo.

    A dor intensa pode ser desencadeada pela vibração (p. ex. ao falar ou rir) ou pelo contacto (p. ex. a lavar a cara ou os dentes, fazer a barba ou aplicar maquilhagem) com a região dolorosa, o que tem fortes repercussões no dia-a-dia dos doentes.

  • Sintomas

    A dor unilateral localiza-se, mais frequentemente, na região inferior da face e na mandíbula (maxilar inferior), embora possa também atingir o nariz e a testa.  Ocorre subitamente, é muito intensa, descrita como escruciante, podendo chegar a ser física e mentalmente incapacitante, e de curta duração (alguns segundos). Nos dias anteriores às crises pode ser percetível, no mesmo local, uma sensação de formigueiro.

    Durante as crises, as dores podem ocorrer muitas vezes por dia. Estas crises podem durar dias, semanas ou meses e ser intercaladas por períodos de remissão muito prolongados (meses ou anos). Normalmente, agravam-se com o passar do tempo e os períodos de remissão tornam-se cada vez mais curtos.

  • Diagnóstico

    Geralmente, o diagnóstico da nevralgia do trigémeo envolve, além do exame clínico e da história do doente, a realização de  exames de imagem para determinar a causa da irritação do nervo trigémeo.

  • Tratamento

    A nevralgia do trigémeo não é curável, mas pode ser controlada. A dor não responde aos analgésicos comuns.

    O tratamento requer uma avaliação e acompanhamento médico. Em geral, envolve inicialmente medicamentos anticonvulsivantes que impedem a transmissão de impulsos nervosos pelo nervo trigémeo. Quando esta abordagem não tem êxito, são usados procedimentos mais invasivos, nomeadamente bloqueios nervosos ou um tratamento cirúrgico.

    O tratamento da nevralgia do trigémeo pode também recorrer a acupunctura e outras técnicas.