Endometriose

A endometriose é uma doença crónica em que se desenvolve tecido semelhante ao do revestimento do útero (endométrio), em localização variável fora deste órgão, formando massas de características benignas, com maior ou menor extensão. Nas várias localizações extra-uterinas, esse tecido sofre transformações semelhantes às que ocorrem no útero durante o ciclo menstrual, que se traduzem, mais frequentemente, em dor e infertilidade.

Os locais mais comuns em que ocorre endometriose são os ovários, as trompas de Falópio, o intestino e as áreas que rodeiam o útero.


ApgenitfemladoNas formas graves da doença, as massas de endometriose podem atingir outros órgãos pélvicos, nomeadamente o reto, vagina, cólon sigmoide, ureteres, bexiga e nervos superficiais e profundos. Algumas formas de endometriose profunda podem, ainda, envolver outros órgãos, por exemplo o diafragma e pulmão.

Estima-se que a incidência de endometriose em Portugal seja de cerca de 700 mil casos.

  • Sintomas

    Nas formas mais ligeiras, a endometriose pode não ter quaisquer sintomas.

    No entanto, a sintomatologia mais habitual desta doença caracteriza-se por dor, que pode ocorrer durante a menstruação ou entre os períodos menstruais (dismenorreia), durante ou depois das relações sexuais, durante a micção ou a defecação. Muitas mulheres têm também queixas de dificuldade em engravidar.

    Nas formas graves de endometriose, também mais raras, podem estar presentes outros sintomas, relacionados com os órgãos que são atingidos.

    Os sintomas associados à endometriose podem ocorrer em várias outras doenças. Assim, o diagnóstico de endometriose requer uma avaliação médica detalhada, a realização de exames complementares de diagnóstico ou mesmo uma investigação cirúrgica (laparoscopia exploradora).

  • Tratamento

    A endometriose pode ser tratada de várias formas, dependendo dos sintomas e sua gravidade, da localização e extensão das massas de endometriose, dos desejos das doentes relativamente a gravidezes futuras, da coexistência de doenças malignas, da idade e estado geral e de outras características específicas de cada caso.

    O tratamento da endometriose tem como objetivo resolver os problemas de dor e de infertilidade e eliminar as massas de endometriose. As opções gerais de tratamento são:

    • Abordagem conservadora, reservada habitualmente para os casos ligeiros e para as mulheres em perimenopausa
    • Terapêutica médica, analgésica e/ou hormonal, que alivia os sintomas mas não diminui a extensão das massas de endometriose nem melhora a fertilidade
    • Tratamento cirúrgico, indicado, habitualmente, para casos graves, nomeadamente com invasão de outros órgãos, e para queixas de infertilidade

    Nas doentes com endometriose, a infertilidade pode estar associada às massas de endometriose, a alterações anatómicas devidas à doença e à produção de substâncias que interferem com uma ovulação, fertilização ou implantação normais. Assim, normalmente, o tratamento da infertilidade associada à endometriose pode envolver mais do que uma das opções referidas, além de outros recursos, como, por exemplo, técnicas de reprodução assistida.

  • Cirurgia da endometriose

    C_O_1Embora a endometriose seja definida como uma doença crónica, na realidade, muitas formas graves desta doença podem ser totalmente curadas com cirurgia.

    Em regra, o tratamento cirúrgico da endometriose está indicado quando:

    | Os sintomas são graves e incapacitantes 
    | A terapêutica médica não alivia os sintomas
    | Há formação de massas de endometriose e invasão de outros órgãos
    | Há massas suspeitas de características malignas

    Dependendo das especificidades de cada caso, o tratamento cirúrgico da endometriose pode ser:

    • Conservador, ou seja, removendo as massas de endometriose mas mantendo o útero e os ovários
    • Radical, ou seja, removendo o útero (histerectomia), as trompas e os ovários, além das massas de endometriose 

    Nas mulheres jovens submetidas a um tratamento radical procura-se, tanto quanto possível, manter os ovários, para que não desenvolvam um processo de menopausa precoce.

    Uma vez que a taxa de recorrência após uma cirurgia conservadora é mais elevada, os principais fatores a ter em conta na definição do tratamento cirúrgico a realizar são o desejo de gravidezes posteriores e a existência de massas com características suspeitas ou confirmadas de malignidade.

    A taxa de recorrência após cirurgia, que globalmente varia entre 6% e 30%, está associada inversamente à idade da doente, ou seja, quanto mais velha é a doente menor será a probabilidade de recidiva.

  • Cirurgia minimamente invasiva da endometriose

    G_O_2O tratamento cirúrgico da endometriose deve ser realizado por laparoscopia.

    Aliás, esta é a abordagem habitual usada quando se recorre ao diagnóstico cirúrgico.

    Nestas circunstâncias, muitas vezes, o tratamento é feito na mesma intervenção realizada para o diagnóstico.

    Além das vantagens gerais que lhe estão associadas, no tratamento cirúrgico da endometriose a cirurgia minimamente invasiva tem ainda os seguintes benefícios adicionais:

     

    • Permite uma melhor visualização e identificação das massas de tecido, quando comparada com a cirurgia aberta, o que tem importância tanto no diagnóstico como na técnica cirúrgica a realizar e na sua eficácia;
    • A menor manipulação dos tecidos, comparativamente à cirurgia aberta, é vantajosa tanto em termos de fertilidade, como relativamente à invasibilidade de eventuais intervenções cirúrgicas abdominais que venham, por qualquer razão, a ser necessárias no futuro.