A diabetes e a gravidez

A diabetes e a gravidez

O metabolismo da glucose é um aspeto importante a ter em conta na gravidez, pelas implicações importantes e potencialmente graves que os valores elevados (hiperglicemia) e os valores baixos (hipoglicemia) de glicemia podem ter no seu curso normal.

Vários estudos clínicos demonstraram que as alterações metabólicas interferem no bem-estar fetal e induzem complicações maternas.

Relativamente à diabetes na gravidez, devem ser consideradas:

  • a diabetes prévia, ou seja grávidas que já tinham o diagnóstico de diabetes antes da conceção
  • a diabetes gestacional, ou seja grávidas que não apresentavam alterações significativas nos seus valores de glicemia, mas que no decurso da gravidez passam, por vários motivos, a apresentá-las

A abordagem no sentido do melhor controlo glicémico deve ser feita não apenas durante a gravidez, mas também na fase de planeamento, durante a qual deverá ser feita a otimização do controlo metabólico. Caso contrário, o sucesso da gravidez pode estar comprometido.

Após a gravidez também é necessário um acompanhamento cuidadoso, tanto para acerto das doses terapêuticas, que após o parto devem ser modificadas, como no sentido do diagnóstico, para identificação dos casos de diabetes gestacional que evoluem para diabetes tipo 2 ou 1.

O Centro de Diabetes do Hospital da Luz Lisboa trabalha em articulação com a consulta de obstetrícia; a diabetes na gravidez é considerada uma prioridade, o que permite que as mulheres referenciadas para este centro sejam rapidamente observadas.

Por vários motivos, o número de casos de diabetes gestacional tem vindo a aumentar. Tem-se verificado também uma modificação no padrão de distribuição dos casos de diabetes prévia à gravidez; além das grávidas com diabetes tipo 1, há um número crescente de grávidas com diabetes tipo 2. Estes factos implicam uma maior atenção em termos diagnósticos e flexibilidade terapêutica.

O controlo metabólico otimizado, quer na fase de planeamento, quer durante a gravidez, implica uma intervenção em termos nutricionais, de ensino de técnicas de autovigilância e de instituição de terapêutica, que pode ser feita com insulina ou com fármacos hipoglicemiantes orais. Nas grávidas com diabetes tipo 1 pode estar indicada, para melhor obtenção destes objectivos, a colocação de bombas de perfusão subcutânea de insulina.