Cirurgia Oncológica

O objetivo principal do tratamento cirúrgico é remover o tumor com margens de segurança adequadas. 

Nas várias áreas cirúrgicas, a abordagem a usar (aberta, minimamente invasiva ou robótica) depende do tipo de tumor, do estado geral do doente, do equipamento disponível e da experiência do cirurgião, entre outros fatores.

O bloco operatório do Hospital da Luz Lisboa tem condições físicas e tecnológicas de exceção. Inclui oito salas equipadas para todo o tipo de procedimentos, com zonas de indução anestésica individuais anexas.

Na área da cirurgia minimamente invasiva e cirurgia robótica destacam-se a sala inteligente (OR1 da Storz) e o sistema de cirurgia robótica Da Vinci Si HD.

As equipas cirúrgicas do Hospital da Luz Lisboa, nas diversas áreas de especialidade, têm uma vasta experiência em cirurgia oncológica.

Conheça algumas áreas de cirurgia oncológica do Hospital da Luz Lisboa:

  • Cirurgia robótica no cancro do reto

    Desde a sua aquisição em 2010, o sistema de cirurgia robótica Da Vinci Si HD tem vindo a assumir um papel e importância crescentes nas áreas de intervenção da Cirurgia Geral, nomeadamente no cancro do reto, das glândulas suprarrenais e do fígado. 

    Entre estes, o tratamento cirúrgico do cancro do reto com apoio de cirurgia robótica, que atualmente é uma prática de rotina no Hospital da Luz, merece um destaque especial. Com efeito, neste caso, pretende-se obter não só um bom resultado oncológico (ou seja a cura do cancro), como também um bom resultado funcional, o que significa evitar a incontinência fecal e urinária, evitar a disfunção erétil nos homens e reduzir a necessidade de uma ostomia definitiva nos tumores muito próximos do ânus. 

    O alcance destes objetivos dependente de uma boa disseção pélvica e da preservação das redes de nervos pélvicos de dimensões muito reduzidas e ocultos em localizações de acesso complexo. Por isso, são mais difíceis de visualizar, identificar e preservar na cirurgia aberta ou mesmo na cirurgia laparoscópica do que na cirurgia robótica.

    A cirurgia robótica, que permite uma visão tridimensional, tem uma grande capacidade de ampliação sem perda de definição e usa instrumentos cirúrgicos tecnologicamente mais avançados do que os disponíveis para laparoscopia, facilita uma disseção mais baixa, com melhor identificação e preservação das referidas redes. Assim, a cirurgia robótica tem um papel determinante na diminuição do risco de incontinência, disfunção erétil e necessidade de ostomias definitivas.

    Conheça do Centro de Cirurgia Robótica e Minimamente Invasiva aqui

  • Cirurgia robótica nas doenças urológicas oncológicas

    Na área do tratamento cirúrgico, o Hospital da Luz tem condições de excepção, nomeadamente equipamento e profissionais experientes em cirurgia robótica e cirurgia minimamente invasiva tradicional na área da uro-oncologia.

    As principais intervenções da área da urologia oncológica que podem ser realizadas por cirurgia robótica no Hospital da Luz são:

    • prostatectomia radical para tratamento de cancro da próstata
    • nefrectomia parcial para tratamento do cancro do rim localizado e bem delimitado
    • cistectomia radical para tratamento do cancro da bexiga 
    • nefrectomia radical para tratamento do cancro rim
    • nefro-ureterectomia no carcinoma do urotélio superior
    • linfadenectomia pélvica

    Cirurgia robótica no cancro da próstata

    A realização de uma prostatectomia radical por cirurgia robótica permite:

    • Uma melhor visualização das estruturas anatómicas, particularmente do apex prostático e uretra, e dos plexos neurovasculares látero-prostáticos
    • Uma tração e contra-tração eficazes da próstata, bexiga e estruturas anatómicas adjacentes, com um impacto muito favorável na precisão da dissecção da próstata e estruturas contíguas
    • Uma anastomose uretro-vesical precisa e estanque

    Na prostatectomia radical robótica tem-se verificado também um melhor resultado funcional, no que se refere a:

    • percentagem e grau de recuperação da função erétil
    • rapidez de retorno da continência urinária

    Cirurgia robótica no cancro do rim

    Além das vantagens gerais da cirurgia minimamente invasivas e da cirurgia robótica, a nefrectomia parcial robótica tem os seguintes benefícios potenciais:

    • Remoção tumoral e reconstrução renal mais precisas
    • Maximizar do tecido renal saudável que não é removido
    • O período de isquemia quente (clampagem da artéria renal) é inferior pois, durante esta fase, a cirurgia robótica permite trabalhar mais rapidamente. Assim, a recuperação do tecido renal saudável é mais rápida e globalmente melhor
    • Usando uma câmara especial e um técnica de fluorescência é possível visualizar a artéria que alimenta o local do tumor e, assim, realizar apenas a resseção dessa parte do rim sem interromper a circulação total do órgão

    Cirurgia robótica no cancro da bexiga

    Habitualmente, a cirurgia do cancro da bexiga é realizada por via aberta. No entanto, em muitos casos, já se usa também a laparoscopia assistida por robot. Atualmente, muitos centros em toda a Europa realizam já todo o procedimento sem necessidade de uma grande incisão.

    Na cistectomia radical minimamente invasiva (assistida ou não por cirurgia robótica), o objetivo é obter resultados oncológicos semelhantes aos da via aberta, diminuindo, simultaneamente, as complicações pós-operatórias potenciais e o período de recuperação.

    O interesse dos urologistas com experiência em cirurgia robótica pela cistectomia laparoscópica assistida por robot tem aumentado nos últimos anos. Com efeito, a visão tridimensional e os instrumentos com articulação intracorporal diminuem significativamente a complexidade do procedimento totalmente laparoscópico, com vantagens para os doentes.

    Conheça do Centro de Cirurgia Robótica e Minimamente Invasiva aqui 

  • Cirurgia de tumores cerebrais

    Na cirurgia dos tumores cerebrais, o grau de remoção do tumor é um dos fatores que mais influencia o sucesso do tratamento. Para isso é determinante a experiência do cirurgião e a existência de tecnologia que apoie e oriente estas intervenções complexas, como a que está disponível no Hospital da Luz:

  • Cirurgia oncológica da mama

    No Hospital da Luz, a equipa dedicada à cirurgia oncológica da mama inclui cirurgiões oncológicos e cirurgiões plásticos que realizam as técnicas cirúrgicas mais avançadas para o tratamento desta doença.

    As diferentes abordagens associam técnicas de remoção oncológica segura e eficaz a técnicas da cirurgia plástica e reconstrutiva que permitam à mulher a manutenção da sua imagem (cirurgia oncoplástica da mama).

    Cada doente é objeto de uma avaliação individual, tendo em consideração as suas especificidades, para que o tratamento a realizar seja o mais adequado, tanto do ponto de vista oncológico como estético.

    Esta abordagem da cirurgia da mama abrange uma série de procedimentos, que vão desde a remodelação (mamoplastias/mastopexias), a técnicas que permitam a reconstrução da mama após uma cirurgia radical. Neste campo, a equipa cirúrgica de mama tem ao seu dispor a possibilidade de recorrer às mais diferentes técnicas, como a utilização de próteses e retalhos pediculados (grande dorsal, TRAM), as reconstruções microcirúrgicas (DIEP, S-GAP, entre outros) e os enxertos de tecido adiposo, adaptando-as a cada doente.

    O bloco operatório está equipado para todo o tipo de procedimentos e também para a realização da biópsia do gânglio sentinela e de exames anatomopatológicos intraoperatórios.