Primeiros Cuidados ao Nascimento

O nascimento é um momento muito especial para a mãe e para o bebé, tanto nos seus aspetos físicos como psicológicos.

No momento do parto dá-se a passagem do bebé para a vida extrauterina e a sua adaptação a essa nova condição. Nesta altura, termina a dependência da placenta para a alimentação e oxigenação do bebé. O cordão umbilical é clampado e seccionado, ficando assim o bebé entregue a si próprio para obter, através respiração e da amamentação, o oxigénio e o alimento de que necessita.

Assim, os primeiros cuidados prestados ao bebé após o nascimento são vários e têm objetivos específicos:

  • Otimizar a respiração

    Durante a vida intrauterina, o bebé recebe da mãe o sangue oxigenado de que necessita; assim, durante esta fase os seus pulmões não são os responsáveis pelas trocas respiratórias de oxigénio e dióxido de carbono e o fluxo sanguíneo ao nível destes órgãos é diminuto.

    Com o nascimento e o início dos primeiros movimentos respiratórios dá-se a expansão pulmonar, o ar entra nos alvéolos e a circulação sanguínea necessária às trocas gasosas respiratórias é estabelecida. A interrupção da circulação sanguínea consequente à secção do cordão umbilical leva a que no espaço de algumas horas depois do nascimento as restantes vias associadas à circulação fetal deixam de estar funcionais, o que contribui para o desenvolvimento da circulação pulmonar.

    Alguns bebés têm ao nascimento uma quantidade excessiva de líquido nos pulmões, o que pode interferir com os movimentos respiratórios. Nestes casos é necessário estimular o choro ou aspirar as vias áreas superiores de modo a otimizar o processo respiratório normal.

  • Evitar o arrefecimento

    No recém-nascido o mecanismo de termorregulação (regulação da temperatura) não está completamente desenvolvido. Assim, o bebé arrefece muito rapidamente, podendo entrar numa situação de hipotermia que conduz a um aumento do consumo de oxigénio e, consequentemente, a dificuldade respiratória. Para evitar que arrefeça, logo após o nascimento o bebé é seco e mantido em ambiente aquecido.

  • Índice de Apgar

    O teste de Apgar faz parte da primeira avaliação do bebé no momento do nascimento e avalia o grau de adaptação do bebé à vida extrauterina. Deve o seu nome à anestesista Virgínia Apgar.

    O índice de Apgar do bebé tem em consideração a frequência cardíaca, a frequência respiratória, o tónus muscular, os reflexos e a cor da pele usando uma escala de 0 a 10. É determinado ao 1º e ao 5º minuto de vida e a pontuação atribuída permite avaliar a necessidade de algum tipo de reanimação.

  • Primeiro exame objetivo sumário

    O primeiro exame sumário pretende avaliar sinais de bem-estar do recém-nascido e excluir a possibilidade de qualquer patologia que necessite de uma intervenção imediata.

    Depois deste exame e, de preferência, o mais precocemente possível, é vantajoso que o bebé fique junto da mãe, aproveitando o seu estado de alerta natural para iniciar a amamentação. A amamentação precoce além de reforçar o vínculo entre a mãe e o filho, tem um efeito de estimulação da secreção do leite e provoca a contração do útero materno o que contribui para evitar hemorragias.

    Mais tarde, no berçário, o bebé será observado mais pormenorizadamente pelo neonatologista.

  • Vitamina K

    Logo após o nascimento é administrada vitamina K a todos os bebés. Esta vitamina está envolvida no mecanismo de coagulação do sangue. A sua administração tem como finalidade proteger o bebé de hemorragias relacionadas com o seu défice fisiológico da coagulação que acontece durante os primeiros dias de vida.

  • Profilaxia ocular

    Logo após o nascimento, serão aplicadas gotas nos olhos do bebé com o objetivo de prevenir uma infeção ocular que possa ocorrer durante o parto.

  • Exame Físico Completo

    Mais tarde, ainda durante o primeiro dia de vida, o neonatologista fará uma nova observação global e detalhada do bebé, assim como um exame neurológico sumário.

  • Primeiras Vacinas

    No primeiro ou segundo dia de vida, o bebé é vacinado contra a tuberculose (vacina BCG), recebendo também a primeira dose da vacina contra a hepatite B (Engerix B). No local de administração da vacina contra a tuberculose, duas a quatro semanas depois, ocorre uma reação local na forma de uma ferida com pús que não deve ser desinfetada, e que secará por si.

    As vacinações posteriores do bebé (a iniciar aos dois meses de idade), tanto as incluídas no Plano Nacional de Vacinação como outras que o médico assistente prescrever, poderão ser realizadas através da Consulta de Pediatria do Hospital da Luz.