Nova terapêutica de medicina molecular no Hospital da Luz

Nova terapêutica de medicina molecular no Hospital da Luz

Foi realizada pela primeira vez no Hospital da Luz, no passado dia 11 de julho, uma nova terapêutica de Medicina Molecular designada DOTATATE-Lu-177. Trata-se de uma terapêutica dirigida seletivamente a tumores neuroendócrinos que expressem, de forma significativa, recetores da somatostatina.

Os tumores neuroendócrinos apresentam uma diversidade surpreendente na sua biologia, dimensão, localização, crescimento, sinais e sintomas associados e prognóstico. Assim, o seu tratamento é individualizado e decidido por uma equipa multidisciplinar, tendo em conta as especificidades de cada caso.

Atualmente, os principais elementos radioativos utilizados para este fim são o lutécio-177 (Lu-177) e o ítrio-90 (Y-90). Estes elementos são ligados ao octeótrido, um análogo de somatostatina. O fármaco radioativo resultante (DOTATOC-90Y, DOTATOC-Lu-177 ou DOTATATE-Lu-177) é administrado por via endovenosa. Uma vez em circulação, o octreótido presente no radiofármaco identifica as células tumorais que apresentem recetores de somatostatina, liga-se a essas células e destroí-as por emissão de radiação beta e gama. A terapêutica com radionuclídeo para recetores de peptídeos (TRRP) adequa-se, portanto, à radioterapia interna seletiva de metástases positivas para recetores de somatostatina.

Este tratamento é bem tolerado e tem revelado uma boa eficácia quando administrado isoladamente ou em associação com outras modalidades terapêuticas.