Rejuvenescimento cutâneo

Na área do rejuvenescimento cutâneo, nomeadamente do rejuvenescimento facial, destacam-se duas técnicas que podem ser complementares:

  • A toxina botulínica
  • O resurfacing com laser de dióxido de carbono fracionado e ultrapulsado

A toxina botulínica do tipo A atua de forma seletiva na junção neuromuscular, tendo um efeito paralisante ou apenas de diminuição da força dos músculos responsáveis pelas rugas associadas à mímica facial. Assim, a sua máxiama eficácia ocorre no terço superior da face, na fronte, nos "pés de galinha" e na pirâmide nasal. Acessoriamente, a toxina é útil nas rugas labiais, nos cantos da boca descaídos e nos músculos do pescoço. A sua utilização é indolor e sem efeitos acessórios, desde que seja realizada por um médico experiente.

O laser de dióxido de carbono (CO2) fracionado e ultrapulsado é um laser ablativo mas, por ser fracionado, provoca pequenos cilindros de dano térmico, de forma aleatória, não sequencial, circundados por áreas de tecido intacto. É a partir destas áreas que se vai dar a re-epitelização, com recuperação mais rápida. 

Além do efeito de melhoria da textura e das alterações de coloração da pele envelhecida, o calor em profundidade provoca a formação de colagéneo novo, o que permite explicar a longevidade dos resultados obtidos. O procedimento requer a aplicação de anestesia tópica, tem um tempo de recuperação médio de uma semana e, como todos os tratamentos cosméticos, necessita de uma boa avaliação e, sobretudo de uma informação correta tendo em conta as expectativas dos pacientes. Só as expectativas realistas permitem uma satisfação plena com os resultados do tratamento.