Em torno da patologia da anca em doentes jovens

Em torno da patologia da anca em doentes jovens

O Auditório 2 do Hospital da Luz recebeu especialistas nacionais e estrangeiros para discutir as novas abordagens cirúrgicas da patologia da anca em doentes jovens. O cirurgião suiço Reinhold Ganz foi a estrela do simpósio e a sua experiência concentrou todas as atenções.

Reinhold Ganz, o médico suíço que foi diretor médico do Departamento de Cirurgia Ortopédica da Universidade de Berna, onde ainda é professor de Ortopedia, concentrou as atenções, durante todo o simpósio. No «Biological hip surgery in young patients», que decorreu hoje no Hospital da Luz, no âmbito do congresso internacional médico Leaping Forward, a experiência deste cirurgião de renome internacional fez com que, a cada tema, as perguntas de quem esteve a assistir acabassem por ter uma resposta de Ganz.

Foi assim desde a primeira apresentação, logo de manhã, no Auditório 2 do Hospital da Luz. Reinhold Ganz abriu os trabalhos colocando uma questão aos presentes: «Mas, porque não colocar a este doente jovem uma prótese da anca, como fazemos aos nossos outros dentes? Afinal, é mais fácil e mais rápido…» A pergunta não ficou sem resposta, tendo o cirurgião suíço explicado que o tempo de vida de uma prótese é limitado e não pode colocar-se um doente jovem numa situação que implicará sempre uma nova cirurgia dentro de alguns anos.

Portanto, concluiu Ganz, é preciso optar pelo caminho mais difícil, isto é, fazer mesmo a reconstrução da anca, se houver clínica e cirurgicamente essa possibilidade. Isso permitirá, concluiu, adiar o mais tempo possível a possibilidade de uma nova operação.

Durante todo o simpósio, falou-se de temas tão variados como a Doença de Perthes, os avanços conseguidos na artroscopia da anca, em doentes jovens, a displasia da anca e o tratamento de deformações graves da anca. E Ganz foi solicitado para falar da sua experiência em quase todos eles.

Já Paulo Rego, responsável pelo serviço de ortopedia do Hospital Beatriz Ângelo (o hospital publico gerido em regime de parceria público-privada pela Espírito Santo Saúde), ortopedista no Hospital da Luz e diretor deste simpósio, falou também de algumas das novas abordagens cirúrgicas desta patologia e, especialmente, da sua experiência com algumas delas.