Robótica vs. laparoscopia na cirurgia geral

Robótica vs. laparoscopia na cirurgia geral

O simpósio sobre cirurgia minimamente invasiva e robótica do Leaping Forward – o congresso médico internacional que decorre no Hospital da Luz até dia 19 - terminou hoje com o debate sobre a importância desta abordagem cirúrgica nas patologias bariátrica e hepatobiliopancreática. 

A experiência de mais de 15 anos e dez mil casos de doentes obesos e diabéticos do cirurgião brasileiro Almino Ramos e os resultados obtidos, comparativamente melhores com a cirurgia robótica marcaram o início destes trabalhos.

O espanhol António Ramos fez uma comparação entre a cirurgia laparoscopia e a cirurgia robótica nesta área, concluindo que a robótica é melhor para casos de maior elevada complexidade, mas não exclui a necessidade do recurso à laparoscopia. Opinião que Keith Kim, o cirurgião que foi apresentado como um mentor para todos os presentes e um dos mais importantes nomes mundiais da cirurgia robótica, subscreveu, na apresentação que fez a seguir.

Pier Cristoforo Giulianotti, o cirurgião italiano que trabalha nos Estados Unidos fez, depois, uma apresentação sobre a utilização do robot na cirurgia hepática, nomeadamente na colheita de parte de um fígado de dador vivo para transplantação.

Este simpósio sobre cirurgia robótica terminou com um aceso debate sobre algumas das teses defendidas, entre outros, pelo cirurgião brasileiro, Almino Ramos.