Terapia da fala

Terapia da fala

A terapia da fala é realizada por terapeutas da fala e pode incidir sobre diversos áreas:

  • Linguagem: a linguagem é uma capacidade humana complexa, através da qual as pessoas comunicam umas com as outras. A linguagem pode ser verbal (oral e escrita) ou não verbal (por exemplo, através de gestos). Quando está presente uma perturbação da linguagem (afasia), a sua capacidade de comunicação humana fica comprometida. 
  • Articulação: a articulação verbal é a produção de fonemas (vogais e consoantes) através de um conjunto de movimentos coordenados dos órgãos fonoarticulatórios (língua, lábios, mandíbula, dentes). Qualquer alteração na articulação (disartria) interfere com a inteligibilidade do discurso ao nível da clareza e da capacidade dos outros o perceberem. 
  • Alimentação: a mastigação (ato de mastigar) e a deglutição (ato de engolir) são atividades neuromusculares complexas. Poderá ocorrer uma perturbação ao nível destas funções (disfagia) devido a lesão neurológica, dificultando ou impedindo a sua realização. 
  • Voz: a voz é o conjunto dos sons que produzimos a partir da vibração das pregas vocais e que é depois modificado pelos órgãos ressoadores. A voz permite identificar uma pessoa relativamente à sua idade, sexo, estrutura física, raça, características de personalidade e estado emocional. As perturbações ao nível da voz (disfonia) podem ter várias origens, nomeadamente o mau uso e abuso vocal ou uma lesão neurológica.

O acompanhamento em Terapia da Fala pode ser feito junto de pessoas de todas as idades com diferentes patologias que comprometem a comunicação interpessoal e determinadas funções orgânicas, como a mastigação e a deglutição.

De uma forma geral, o trabalho com crianças em idade pré-escolar e escolar incide essencialmente no âmbito das dificuldades na articulação dos sons da fala e do atraso de desenvolvimento da linguagem, muitas vezes responsáveis por problemas de aprendizagem da leitura e escrita. Outras áreas funcionais podem também estar alteradas, como é o caso da motricidade orofacial e da fluência do discurso (gaguez).

Na área da voz, existem determinados grupos de risco de patologia vocal (disfonia), por exemplo os professores, cantores, locutores de rádio, entre outros, as pessoas que comprometem a qualidade vocal por mau uso e abuso vocal e os doentes com patologia laríngea. A intervenção em Terapia da Fala está orientada para a melhoria da qualidade vocal nas situações referidas e no acompanhamento pré e pós-cirúrgico em patologias laríngeas.

A reabilitação dos doentes submetidos a cirurgias de tumores de cabeça e do pescoço é também uma área de atuação em Terapia da Fala. O objetivo principal nesta área é dirigido ao restabelecimento de padrões de alimentação e de comunicação.

A atuação em Terapia da Fala na área da neurologia abrange iferentes perturbações: perda de capacidade de linguagem (afasia); alterações da fala e da motricidade orofacial (disartria e apraxia); perturbações vocais (disfonia); e dificuldades de deglutição de alimentos sólidos ou líquidos (disfagia). A maioria dos casos é consequência de acidentes vasculares cerebrais (AVC) e traumatismos crânio-encefálicos, existindo contudo outras etiologias, como as doenças degenerativas do sistema nervoso central, que é exemplo a doença de Parkinson.