Alergia aos ácaros: prevenção

Com a chegada do outono e dos dias mais cinzentos e frios, as pessoas tendem a ficar mais tempo em casa e, por isso, expostas a fatores potencialmente desencadeadores de alergias, tais como os ácaros, que proliferam particularmente nesta época do ano em ambientes fechados, húmidos e quentes.

Em particular, as roupas guardadas há muito tempo (desde o inverno anterior) constituem os principais ninhos de ácaros domésticos que, muitas vezes, precipitam as queixas de asma e de rinite – os principais problemas alérgicos desta altura do ano.

A prevenção é, assim, a melhor defesa para conseguir um outono e um inverno mais tranquilos no tocante a alergias.

Há várias medidas que podem ser postas em prática em casa e particularmente no quarto de dormir, tais como:

  • Manter os ambientes de casa e de trabalho limpos;
  • Lavar as roupas de inverno tanto de casa, como de vestir, que ficaram guardadas;
  • Mesmo nos dias frios, deixar as janelas abertas para ventilar o ambiente e deixar o sol entrar;
  • Evitar fumo de tabaco e odores ativos (produtos de limpeza doméstica);
  • Tentar manter um ambiente doméstico ‘saudável’ com níveis de humidade relativa entre 50 a 60% e temperaturas de 18º a 20ºC.

No quarto de dormir:

  • Evitar alcatifas e tapetes grossos. Dar preferência a chão facilmente lavável;
  • As paredes devem ser lisas, sem papel de parede;
  • Preferir cortinas simples e facilmente laváveis;
  • Os móveis devem ser simples, de superfícies lisas e fáceis de limpar;
  • Não guardar livros, brinquedos ou bonecos de peluche no quarto;
  • Ventilar e arejar o quarto de dormir sempre que possível.

Na cama:

  • Não usar lençóis de flanela. Preferir os de algodão que possam ser lavados a temperaturas superiores a 55ºC;
  • Preferir edredões sintéticos (e não de penas ou cobertores);
  • Usar almofadas de espuma ou sintéticas;
  • Poderá ser útil o recurso a coberturas anti-ácaros para colchão e almofada.

É de toda a conveniência que a limpeza seja efetuada quando a pessoa alérgica não estiver em casa.

Não há medidas perfeitas, mas devem conjugar-se vários métodos que permitam garantir um ambiente doméstico mais adequado e com menor concentração de ácaros.


Texto:

Ana Cruz Diniz

Pediatria, Hospital da Luz

Artigo publicado na revista IESS