Voltar

Cancro da mama e prevenção

As doenças da mama, benignas ou malignas (cancro), são muito comuns. Uma em cada dez mulheres tem cancro da mama.

A identificação de alterações na mama é fundamental para o diagnóstico precoce, com benefícios significativos na possibilidade e no sucesso do tratamento do cancro da mama. Assim, deve ter os seguintes cuidados:

  • Realize regulamente um auto-exame mamário. Se identificar alterações mamárias neste auto-exame, procure ajuda junto do seu médico assistente e realize os exames de diagnóstico que este prescrever.
  • Realize os exames mamários de rotina preconizados para a sua idade, mesmo que não tenha quaisquer sintomas.
  • Mesmo que tenha realizado recentemente exames mamários sem alterações relevantes (BIRADS 1 ou 2), se sentir algum sintoma mamário, consulte com brevidade o seu médico assistente.

Qual é o objetivo e quando se devem fazer exames mamários de rotina?

Os exames mamários de rotina são realizados mesmo quando não são detetadas quaisquer alterações no auto-exame. Têm como objetivo fazer um diagnóstico precoce, quando as doenças ainda não provocam sintomas, já que nesta altura as alternativas de tratamento e o seu sucesso são mais favoráveis.

  • A idade de início dos exames mamários de rotina e a sua periodicidade são determinados pelo médico assistente.
  • Em geral, os exames de rotina são iniciados entre os 35 e os 40 anos de idade e devem ser feitos regularmente até aos 75 a 80 anos.
  • Na maioria dos casos realizam-se anualmente, ou de dois em dois anos, dependendo da idade e dos fatores de risco.

Qual é o objetivo e quando se devem fazer exames mamários de diagnóstico?

Os exames mamários de diagnóstico são realizados para esclarecer sintomas ou alterações mamárias detetadas pela doente ou pelo médico assistente. As alterações mais habituais que justificam a realização de exames mamários são:

  • A identificação de uma massa ou nódulo palpável
  • Uma alteração da pele ou do mamilo
  • A existência de corrimento pelo mamilo

A mamografia

A mamografia é uma radiografia mamária que usa um nível muito baixo de radiação. É realizada por um técnico de radiologia e analisada posteriormente por um médico radiologista. Geralmente são realizadas duas imagens de cada mama, em planos diferentes (crânio-caudal e oblíquo). No entanto, pode ser necessário obter mais imagens para esclarecer aspetos particulares.

Para conseguir obter imagens adequadas usando um baixo nível de radiação, é necessário comprimir a mama durante cinco a 10 segundos. A dor e o desconforto que a compressão da mama originam podem ser aliviados se adotar as seguidas medidas:

  • Siga rigorosamente as instruções que lhe forem dadas por quem realiza o exame,
  • Tente não se mexer e mantenha-se descontraída, para que o exame seja realizado o mais rapidamente possível.

A ecografia mamária

A ecografia é o segundo exame mamário mais comum, depois da mamografia. É realizada por um médico radiologista. Este exame baseia-se em ultrassons, não usa radiação e não é doloroso. Para o realizar, é aplicado um gel na mama, que elimina qualquer ar residual e permite a passagem correta dos ultrassons para obter imagens de qualidade.

Saiba ainda que...

  • No dia em que vai realizar os exames mamários não deve aplicar qualquer creme ou desodorizante na região mamária ou axilar, pois estes interferem com a qualidade dos exames.
  • No dia dos exames, não se esqueça de levar consigo os exames anteriores (imagens e relatórios) pois, em alguns casos, a comparação com esses exames é fundamental para formular um diagnóstico correto.
  • Para além da mamografia e da ecografia mamária, existem outros exames mamários mais complexos, por exemplo a punção ou biópsia mamária, a galactografia ou a ressonância magnética mamária. Estes exames não se usam como rotina pois têm indicações específicas.