Voltar

Cuidados com o sol

Cuidados com o sol

Durante a primavera e o verão tornam-se mais frequentes os passeios ao ar livre. Especialmente nas famílias com crianças, as idas à praia, a piscinas e a parques representam uma parte importante desses passeios.

Tal como acontece com quase tudo, também relativamente às condições ambientais, nomeadamente à exposição solar e ao calor, as crianças são muito mais vulneráveis do que os adultos. 

  • Cuidados relativos à exposição solar

    Quando há exposição ao calor é imprescindível adotar alguns cuidados especiais.

    Para crianças com menos de 12 meses:

    • Durante as horas de maior calor e intensidade de radiação solar (entre as 11 e as 17 horas) devem ser evitados os passeios ao ar livre;
    • Mesmo fora daquele intervalo de tempo, a exposição ao sol deve ser evitada;
    • Nos dias mais quentes e quando ao ar livre, as crianças com menos de 12 meses devem sempre ser mantidas à sombra;
    • Nos dias mais quentes e quando ao ar livre, estas crianças devem usar um protetor solar com um fator de proteção superior a 60 (FP>60).

    Para crianças com mais de 12 meses:

    Para as crianças com mais de 12 meses, devem ser adotados cuidados semelhantes aos atrás referidos. No entanto, há também que ter cuidado com os exageros: um banho de sol moderado e protegido é salutar, e agradável e uma criança “toda besuntada” num dia de sol não vai conseguir divertir-se. Assim:

    • As crianças devem usar um protetor solar com um fator de proteção superior a 60 (FP>60), que deve ser aplicado cerca de 30 minutos antes da exposição, de modo a aumentar o seu poder de penetração;
    • A aplicação do protetor solar deve ser repetida de 2 em 2 horas, especialmente quando as crianças tomarem banho ou transpirarem muito;
    • Nos dias quentes mas nublados, os cuidados referidos devem ser mantidos, pois a radiação ultravioleta continua a atingir a pele e pode causar danos;
    • Quando as crianças estão à sombra, devem também ser mantidos os mesmos cuidados, já que a luz solar refletida na areia ou na superfície da água continua a atingir a pele.

  • Cuidados relativos ao vestuário

    O vestuário constitui uma boa barreira de proteção contra a radiação ultravioleta. Assim, para atividades físicas ao ar livre ou nas situações em que se torna difícil a aplicação frequente de protetores solares, o vestuário pode ser a opção mais adequada para proteger a pele do sol.

    Durante o tempo mais quente as crianças devem usar vestuário leve, de algodão e suficientemente folgado para permitir uma ventilação adequada e a evaporação do suor, que aumenta apreciavelmente com o calor. Também a roupa interior deverá ser preferencialmente em algodão. As crianças devem também usar chapéu que proteja adequadamente a cabeça, as orelhas, o nariz e os lábios.

    Na praia ou na piscina, as roupas molhadas devem ser trocadas, pois a sua permanência junto ao corpo favorece o aparecimento de micoses.

    Na praia, as crianças não devem andar sem fato de banho; o contacto com a areia ou com objetos sujos pode dar origem a problemas da pele e do trato genito-urinário.

  • Alimentação

    Durante os passeios realizados nos dias de mais calor a alimentação deve ser simples mas, tanto quanto possível, idêntica àquela a que as crianças estão habituadas. A fruta (p. ex. laranja, nectarina, ameixa, cereja, pêssego, melão, melancia, manga, papaia e maçã) e os legumes (p. ex. alface, tomate, espinafre, brócolos, cenoura, abóbora) devem ocupar um lugar preferencial na alimentação, pois o seu teor em carotenos e vitaminas poderá contribuir para a proteção da pele contra a agressão pelos raios solares. Deve também ser prestada uma atenção especial à ingestão de líquidos, que deve ser aumentada.

  • Queimaduras solares

    Se, mesmo adotando cuidados relativamente à exposição solar, ao vestuário e à alimentação ocorrerem queimaduras solares mantenha-se atento e considere a necessidade de implementar as seguintes medidas adicionais:

    • A vermelhidão e o ardor ligeiros podem ser resolvidos com um banho de água tépida e com a aplicação posterior de um produto hidratante. Existem produtos específicos para crianças para aplicar depois da exposição ao sol;
    • Se a queimadura parecer mais grave, ou caso surjam sinais de prostração ou febre ofereça bastantes líquidos e procure ajuda médica

.

  • Prevenção de acidentes e outros cuidados

    Muitas crianças sentem um verdadeiro fascínio pela água, nomeadamente pelo mar e pelas piscinas. Desta forma, são estas as crianças mais tentadas a arriscar, e as que, naturalmente, correm maior perigo e carecem de mais atenção.

    Na praia e nas piscinas as crianças devem estar sempre sob a vigilância de um adulto e usar braçadeiras ou coletes salva-vidas. Devem também conseguir visualizar facilmente o local onde estão as pessoas que as acompanham, pelo que à chegada deve ser-lhes ensinado como identificar ao longe (através de uma cor berrante, por exemplo) e encontrar esse local.

    Quando andam de bicicleta, triciclo ou patins, as crianças devem usar o equipamento de protecção adequado – capacete, joelheiras e cotoveleiras.

    Durante o tempo mais quente são também mais comuns as picadas dos insetos. Para as evitar podem ser usados repelentes específicos para aplicação no corpo das crianças. Existem também numerosos produtos para proteção ambiental, interior e exterior, mas, antes de mais, podem ser tomadas medidas simples que contribuam para evitar a presença de insetos. Entre estas incluem-se, por exemplo, não deixar recipientes ou locais com água estagnada próximo dos locais frequentados pelas crianças, colocar redes mosquiteiras nas janelas e evitar que as crianças estejam ao ar livre ao anoitecer nos locais onde existam muitos insetos.