Voltar

Enterocolite necrosante do recém-nascido

A enterocolite necrosante é uma doença muito grave que ocorre principalmente nos recém-nascidos pré-termo e de muito baixo peso (peso ao nascer inferior a 1500 g) ou nos recém-nascidos de termo com patologia grave, como por exemplo uma cardiopatia complexa. Deve-se a uma insuficiência da circulação sanguínea do intestino com sofrimento deste órgão. A parede do intestino fica muito fina rompendo por vezes, em um ou vários locais. Em consequência há um derrame do conteúdo intestinal na cavidade abdominal provocando uma peritonite, passando as bactérias através da parede fina do intestino para a circulação sanguínea provocando uma infeção muito grave no sangue. Por vezes, parte do intestino fica necrosada e tem que ser retirado.

Esta doença pode ter vários graus de gravidade. O recém-nascido pode ficar subitamente muito doente, instável, deixa de tolerar a alimentação, o abdómen fica muito distendido e doloroso e tem fezes com sangue.

Quando é que a enterocolite necrosante tem indicação cirúrgica e em que consiste a intervenção?

A enterocolite necrosante pode ter indicação cirúrgica quando existe evidência de perfuração do intestino ou uma degradação grave e rápida da situação clínica do recém-nascido.

A cirurgia consiste em limpar a cavidade abdominal, retirando o conteúdo intestinal extravasado e o segmento de intestino com perfuração ou em sofrimento, cuja viabilidade futura está comprometida. Nesta intervenção pode ser realizada a reconstrução da continuidade do intestino de imediato, ou haver necessidade de construir uma ostomia intestinal (abertura ao nível da pele). Neste caso será necessária uma intervenção cirúrgica posterior para encerramento da ostomia. As complicações pós-operatórias, dependem da quantidade de intestino retirado ao recém-nascido o que condiciona o tratamento e o prognóstico. A estenose (aperto) do intestino é uma das complicações que ocorre com alguma frequência, condicionando alteração do trânsito intestinal e a tolerância alimentar.

Qual o prognóstico de enterocolite necrosante?

O prognóstico da enterocolite necrosante depende fundamentalmente da quantidade de intestino atingido e retirado, do peso ao nascer e da idade gestacional. Nos casos de perda muito extensa de intestino, desenvolve-se a síndrome de intestino curto, que obriga a nutrição parentérica durante um período prolongado e a uma introdução lenta e tardia da alimentação entérica, agravando o prognóstico global do doente e prolongando o tempo de internamento.