Voltar

Chucha: mitos e factos

Dar chucha é mau

Não. Na verdade pode até ser prejudicial privar o bebé da chupeta. Se este procura o conforto através da chupeta, não oferecê-la irá fazer com que procure outras formas que lhe proporcionem essa mesma sensação, como chuchar no dedo, língua, fronha da almofada ou ranger os dentes. Qualquer destas é mais prejudicial do que a chucha. Ou seja, se o bebé identifica a sucção como uma fonte de prazer, a chupeta é simplesmente a forma preferencial de lho proporcionar.

A chucha atrasa a linguagem

Durante o 1º ano de vida pode oferecer-se a chucha, devendo a sua utilização ser diminuída gradualmente até aos 2 anos. Após o 3.º ano, o uso da chucha pode ter efeitos prejudiciais na oclusão dentária, levando à deformação da arcada dentária, mordedura cruzada, situações que poderão criar atrasos na linguagem, problemas na mastigação ou na dicção.

Interfere com a amamentação no seio materno

A introdução de chupeta deve ser adiada até à 3ª semana de vida, quando a amamentação estiver bem estabelecida, evitando confusão entre seio materno e bico da chucha (ainda que haja bebés os consigam distinguir desde logo).

Protege contra o síndrome de morte súbita do lactente

Segundo a Academia Americana de Pediatria, a chucha tem um efeito protetor da morte súbita, uma vez introduzida após a 3ª semana de amamentação e apenas durante o sono.

Cria problemas respiratórios, otites e amigdalites

O uso contínuo da chucha pode levar a uma expiração prolongada. O bebé passa a respirar pela boca, agravando a elevação do palato (céu da boca), diminuindo o espaço aéreo dos seios da face e gerando desvios no septo nasal. A respiração oral leva ainda a uma diminuição da produção de saliva, bem como a migração das bactérias das secreções nasais para o ouvido médio, com risco de otite média aguda, rinites e amigdalites.

É importante analisar os prós e contras da utilização da chucha e decidir, com o pediatra, o melhor para cada criança. A chucha é, na maioria dos casos, a melhor solução para responder a um reflexo que quase todos os bebés apresentam: a sucção. 

Se o bebé rejeitar a chucha não deve ser forçado a aceitá-la, há outras formas de o acalmar e confortar: pegar-lhe ao colo, falar-lhe, ou simplesmente dar-lhe atenção.

Existem chupetas convencionais ou ortodônticas, de silicone ou látex, para cada idade.

Devem ser lavadas com água, esterilizadas a cada 3-5 dias e trocadas a cada mês.

 

Alexandra Pinto

Médica Pediatra, Hospital da Luz

 

Nos hospitais e clínicas da rede Hospital da Luz encontra médicos especialistas em pediatria, que fazem o acompanhamento da saúde das crianças e jovens. Conheça os médicos pediatras  desta unidade da rede Hospital da Luz.