Alunos do 9º ano aprendem a salvar vidas com o Hospital da Luz Clínica de Odivelas

Uma parceria do Hospital da Luz Clínica de Odivelas com o Colégio Monte Maior permitiu a mais de uma centena de alunos do 9º ano ter um dia de aulas diferente.

Com manequins de simulação e equipamento específico, estes alunos ficaram a saber o que devem fazer quando alguém sofre uma paragem cardiorrespiratória e está em risco de vida.

O enfermeiro Paulo Fonseca, formador credenciado em Suporte Básico de Vida, explicou todos os passos a seguir nestas situações. Porque é fundamental pedir ajuda, mas é também importante ganhar tempo, até que cheguem os profissionais do INEM. 

«É fundamental sabermos isto porque a cada 90 segundos alguém colapsa. Temos um historial de paragens cardiorrespiratórias enormíssimo. E se não fizermos nada enquanto cidadãos, a nossa responsabilidade tem um problema associado: a vítima acabará por sucumbir porque ninguém pediu ajuda, ninguém iniciou precocemente suporte básico de vida. O grande objetivo, toda a gente deve saber, é ganhar tempo até que os recursos adicionais possam chegar para salvar aquela vida», explicou o enfermeiro.

Todos tiveram oportunidade de aprender, na prática, quando e como devem ser feitas as manobras de reanimação cardiotorácica e a respiração boca-a-boca, usando os quase 20 manequins de simulação que o Hospital e o INEM disponibilizaram para esta ação de formação. «Acho que sim, que aprendemos muito hoje. Estas são coisas muito importantes, que podem ser úteis para usarmos com qualquer pessoa, numa situação inesperada. É bom ensinarem-nos isto na escola», comentou a Joana, uma das alunas do 9º ano do Colégio Monte Maior, que participou nesta formação. Martim, também do 9º ano, ainda acrescentou: «Acho que é importante sensibilizar as pessoas e a escola. Nunca se sabe o que pode acontecer. E pode ser preciso ajudarmos», enquanto Carolina disse: «Foi importante esta formação que nos foi feita, porque nos mostraram diferentes perspetivas do que pode acontecer e assim estamos melhor preparados para as várias ocasiões. Já tínhamos a base. Agora, ficámos a saber mais». E a Joana concluiu: «É bom sensibilizar as pessoas para o que podem e devem fazer». 

A formação em Suporte Básico de Vida tem como objetivo proporcionar a todas as pessoas os meios para agir corretamente perante quem está em perigo de vida. Como se disse, a cada 90 segundos, alguém no mundo sofre uma paragem cardiorrespiratória. Só 8% destas vítimas se salva, por ter tido a ajuda necessária.

Salvar vidas é um dever de todos e é um direito de cada um. E foi com essa consciência que os alunos do Colégio Monte Maior ficaram, depois desta ação de formação: «Acho que saio daqui com uma noção do que posso fazer para ajudar, o que é importante. Irei lembrar-me do que aprendi e certamente tentarei ajudar a pessoa que está em risco», disseram Teresa e Beatriz, no final do dia em que estiveram a aprender com os profissionais do Hospital da Luz Clínica de Odivelas.

Através de ações e parcerias como a que agora estabeleceu com o Colégio Monte Maior, o Hospital da Luz Clínica de Odivelas aposta na formação dos mais novos para um futuro mais responsável e seguro. O Hospital da Luz Clínica de Odivelas está empenhado em trabalhar cada vez mais de perto com a comunidade que serve e está aberto a novos projetos de formação e de promoção em saúde. 

«Consideramos que estas formações junto da população mais jovem são um investimento no nosso futuro enquanto cidadãos. Formar miúdos de 14 e 15 anos em coisas tão básicas como saber atuar ou, pelo menos, saber pedir ajuda quando alguém à nossa frente está a passar um mau bocado, é algo que nos enche de orgulho e que gostaríamos de repetir», explicou Patrícia Alvarez, enfermeira coordenadora do Hospital da Luz Clínica de Odivelas, acrescentando: «O Hospital da Luz Clínica de Odivelas foi pensado como uma clínica de proximidade, que se posiciona junto da nossa população, que facilita a ponte entre estas questões mais básicas de saúde, oferecendo cuidados médicos. Mas também temos esta vertente da formação. O Colégio Monte Maior foi a nossa primeira parceria, mas a nossa intenção é fazer mais no concelho de Odivelas, a que pertencemos, e em Loures, que é concelho que está na nossa proximidade. E estamos abertos a facilitar este tipo de formação para todas as escolas que nos procurem, ou para dar outro tipo de formação, que não apenas suporte básico de vida». 

«Temos alguns projetos, como levar aos mais pequenos, aqueles que ainda têm aquele medo do médico, a conhecer a nossa instituição de saúde. Para que não fiquem tão assustados quando têm na frente um enfermeiro, que tem de lhes dar uma vacina, ou um médico, que lhes pede para ver a garganta. É a nossa posição enquanto formadores da comunidade que servimos neste momento», concluiu.