Hospital da Luz Lisboa participa em estudo nacional de cardiologia clínica

Um estudo que envolveu 4.000 doentes em 14 hospitais portugueses, incluindo o Hospital da Luz Lisboa, acaba de ser publicado na Revista Portuguesa de Cardiologia e tem como primeiro autor Daniel Ferreira, coordenador da Cardiologia Clínica no Centro Cardiovascular desta unidade do Grupo Luz Saúde. O trabalho estudou o risco de tromboembolismo venoso, uma situação clínica resultante da formação de coágulos sanguíneos em veias profundas e que impedem o fluxo sanguíneo, podendo eventualmente deslocar-se através da circulação venosa e causar embolias pulmonares que podem ser fatais nalguns casos.

O tromboembolismo venoso é uma complicação vascular relativamente frequente e a determinação do respetivo risco de ocorrência é essencial para o médico, de forma a poder escolher a melhor estratégia de tratamento de cada doente.

O grupo coordenador deste estudo, além de Daniel Ferreira, integra ainda Joaquim Abreu de Sousa (Serviço de Cirurgia do IPO do Porto), Paulo Felicíssimo (Serviço de Ortopedia do Hospital Fernando Fonseca, na Amadora) e Ana França (Instituto Português do Sangue e da Transplantação). O grupo analisou os dados recolhidos no Estudo ARTE (Avaliacão de Risco de Tromboembolismo Venoso), um trabalho prospetivo realizado entre dezembro de 2008 e junho de 2012 em 14 hospitais portugueses, que abrangeu 4.248 doentes internados nos departamentos de cirurgia, medicina interna, ortopedia e oncologia.

Nas conclusões deste estudo, os autores propõem um novo score para avaliação do risco de tromboembolismo venoso durante o internamento hospitalar dos doentes, defendendo que tal poderá resultar «numa melhoria da prática da tromboprofilaxia nos nossos hospitais».

Leia o artigo intitulado ‘Risco de tromboembolismo venoso e tromboprofilaxia nos hospitais portugueses - Estudo ARTE’, publicado no número de novembro da Revista Portuguesa de Cardiologia.