Centro de Cefaleias trata primeiro doente no país com fármaco biológico

O Centro de Cefaleias do Hospital da Luz Lisboa é o primeiro em Portugal a administrar um fármaco inovador, biológico, para o tratamento da enxaqueca. O tratamento, a uma doente, iniciou-se a 19 de dezembro.

Tal como no passado – em que foi o primeiro a dispor de tratamento com toxina botulínica para a enxaqueca crónica e a disponibilizar estimuladores externos para a terapêutica das cefaleias –, o Centro de Cefaleias do Hospital da Luz Lisboa coloca-se novamente na dianteira da inovação e é agora o primeiro a iniciar um fármaco biológico.

Este novo grupo de fármacos consiste em anticorpos monoclonais contra a molécula CGRP (ou contra o seu recetor), que está envolvida na fisiopatologia da enxaqueca. Os resultados de eficácia foram favoráveis nos ensaios clínicos em que o Centro de Cefaleias do Hospital da Luz também participou, com um perfil de tolerância muito superior às alternativas até agora disponíveis. «Constitui, de facto, uma revolução terapêutica», conclui Raquel Gil-Gouveia, coordenadora do Centro de Cefaleias.

Na foto em cima, a equipa deste centro: o enfermeiro Pedro Sousa e as médicas neurologistas Elsa Parreira, Raquel Gil-Gouveia e Inês Brás Marques.