‘O anestesista é o guardião do doente’

«O anestesista é o guardião do doente», salientou Cristina Pestana, coordenadora adjunta do Departamento de Anestesiologia do Hospital da Luz Lisboa, durante a sua participação como convidada especial do programa ‘Pura Vida’ do canal Saúde Mais, emitido a 24 de outubro.

A médica anestesiologista explicou em que consiste a especialidade e qual o papel do anestesista, que «não é apenas o de pôr a dormir» para não se sentir dor: «Nós não estamos preparados para ser operados, para que alguém nos corte. Há uma libertação de hormonas e de produtos que têm consequências no coração e nos outros órgãos. Apesar desta ‘agressão’, o anestesiologista tem de mantê-los todos a funcionar, para que, ao terminar a cirurgia, todos funcionem da mesma maneira que estavam a funcionar e para que aquilo que foi tratado esteja melhor do que anteriormente». 

Cristina Pestana, que ao longo da sua vida profissional já viu mais de 70 mil doentes, referiu que faz questão de ver o doente antes das cirurgias (a não ser que estas sejam de urgência): «Conhecer o meu doente antes e ele ficar a saber que conta comigo e que, se tiver dúvidas até à cirurgia, pode ligar-me quando quiser, pois tem o meu telefone, acho que é muito tranquilizante». 

Depois de lembrar que errar é humano, explicou por que é muito importante ter isso sempre presente: «Um em 30 dos nossos gestos é errado e aquilo que devemos fazer, porque estamos perante a vida de uma pessoa, é minimizar o erro». E isto começa por conhecer a pessoa que se tem à frente, passa depois por ter o conhecimento de todos os aparelhos necessários à anestesiologia, saber usar a técnica mais adequada e monitorizar o melhor possível. Quando há coisas que correm menos bem – acidentes, incidentes ou complicações – «há que assumir o erro» perante o doente.

O programa incluiu testemunhos de doentes e de colegas de equipa de Cristina Pestana, que manifestaram o respeito e apreço pelo seu trabalho.

Veja o programa