Doutoramento de Hugo Marques em Medicina de Imagem aprovado com nota máxima

Doutoramento Hugo Marques

Hugo Marques, médico radiologista responsável pela Unidade de Imagem Cardiovascular por TC e RM do Hospital da Luz Lisboa, defendeu a sua dissertação de doutoramento em Medicina no passado dia 16 de março, na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, tendo merecido a aprovação unânime do júri, que lhe atribuiu a nota máxima. O doutoramento, na Especialidade de Cirurgia e Morfologia (Medicina da Imagem), é o primeiro desta área realizado por um médico do Hospital da Luz Lisboa. Foram orientadores os professores João Martins Pisco, João Goyri O´Neill e Pedro Adragão, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa.

A tese tem por tema a ‘Avaliação por tomografia computorizada da aurícula esquerda e veias pulmonares - Contexto anátomo-clínico’ e foi apresentada perante um júri composto pelos professores Fernando Miguel Xavier, João Goyri O´Neill e Rui Mateus Marques, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, Luís Caseiro Alves e Paulo Romão Donato, da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, e Ana Maria Gomes de Almeida, da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Nos trabalhos que sustentam a sua tese, Hugo Marques desenvolveu um normograma que permite avaliar a aurícula esquerda do coração na fase médio-diastólica através de TC (tomografia computorizada) e aplicar essa informação em doentes com fibrilhação auricular (a arritmia crónica com maior prevalência e que afeta 2,5% dos portugueses com mais de 40 anos). «A aplicabilidade deste normograma a doentes com fibrilhação auricular foi testada, tendo permitido identificar todos os doentes com fibrilhação auricular que tinham dilatação da aurícula esquerda», conclui Hugo Marques. O médico radiologista descobriu «um marcador anatómico (o padrão de drenagem das veias pulmonares à direita – R2a), com relevância significativa e independente na taxa de recidiva após ablação percutânea da fibrilhação auricular», o que poderá permitir adaptar/modificar o procedimento ablativo de acordo com esta informação, procurando otimizá-lo e reduzir as taxas de recidiva.

Hugo Marques concilia a sua atividade médica com o trabalho de docência e investigação, sendo assistente convidado da Faculdade de Ciências Médicas, além de autor e coautor de cerca de 30 publicações em revistas científicas nacionais e estrangeiras.

Na foto em cima, da esquerda para a direita: Rui Mateus Marques, Paulo Donato, Filipe Caseiro Alves, Ana Almeida, Hugo Marques, Miguel Xavier e João O’ Neill.